As cartas em defesa da democracia e das eleições diretas ecoarão por todo o Brasil

Maria Arminda do Nascimento Arruda, vice-reitora da USP, e Celso Campilongo, diretor da Faculdade de Direito, dizem que os textos representam os sentimentos da sociedade

Esta quinta-feira, 11 de agosto, dia tradicional de comemoração dos cursos de Direito no Brasil, se transformará no dia da defesa, pela sociedade, da democracia e de eleições livres e justas no Brasil.

Por todo o Brasil, via sites e mídias sociais, ecoará a leitura, na Faculdade de Direito da USP da “Carta às Brasileiras e aos Brasileiros em Defesa do Estado Democrático de Direito“, nascida nas Arcadas do Largo de São Francisco, que já conta com mais de 800 mil assinaturas, e a carta em “Defesa da Democracia e da Justiça”, que reúne a assinatura de 108 entidades empresariais, sindicatos trabalhistas e associações civis, como Fiesp, Febraban e Cut e similares, entre muitas outras.

Um movimento pela Democracia

“Parecia que o país estava mais ou menos adormecido, em berço nada esplêndido. Um país que parecia apático diante dos permanentes e constantes ataques à democracia”, diz Maria Arminda do Nascimento Arruda, vice-reitora da USP. “Essa paralisia é rompida com a carta, o que mostra que a USP também passou a ter um papel de protagonista”. Para ela, a cerimônia que representa, acima de tudo a retomada das ações coletivas da sociedade civil contra as constantes ameaças à democracia brasileira e aos seus instrumentos, especialmente as eleições diretas, que emanam de Brasília nos últimos anos (veja entrevista completa no vídeo abaixo).

“O número me surpreende muito. Não passava pela nossa cabeça que chegaríamos ao alcance que chegamos. Tem todas as profissões e vários setores. Oitocentos mil é um número muito expressivo”, diz o diretor da Faculdade de Direito da USP, Celso Campilongo, sobre evento que nascido de sugestões de ex-alunos, que relembravam a importância da Carta aos Brasileiros, de protesto contra as arbitrariedades da ditadura militar em 1977, lida, no pátio da faculdade, pelo respeitado professor Goffredo da Silva Telles, que plantou uma contestação ao regime, cuja derrubada vingou oito anos depois. A ideia, como uma chispa, espalhou-se pela sociedade civil e Carta assinada pelas 108 associações da sociedade civil brasileira (veja entrevista abaixo).

O evento, cuidadosamente organizado pela Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, ocorrerá a partir das 10h, em três espaços da instituição, o Salão Nobre, o pátio interno e o espaço em frente da escola, que receberá telões para transmitir o evento. Até esta última terça-feira, já haviam se interessado por transmiti-lo diretamente 20 faculdades de direito e 30 universidades de todo o Brasil.

Jornal da USP

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1  +  8  =  

Botão Voltar ao topo