Nota de repúdio da Contee às festas temáticas ‘Se nada der certo’

1182
0
COMPARTILHE

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino — Contee manifesta sua indignação pela festa promovida no dia 17 de maio pela Instituição Evangélica Novo Hamburgo, do Rio Grande do Sul, para os estudantes do terceiro ano do ensino médio, com o tema “Se nada der certo”. Conforme noticiado na imprensa, os estudantes compareceram à festa, dentro da escola, vestidos como garis, faxineiros, revendedores de produtos de beleza, atendentes de lanchonetes, entre outras profissões, numa alusão a quais serão suas supostas “alternativas futuras” caso não sejam aprovados no vestibular.

Não é um caso isolado. Ainda segundo a imprensa, um recreio temático semelhante foi promovido em 2015, também no Rio Grande do Sul, no Colégio Marista Chapangnat. Ambas as instituições divulgaram notas pedindo desculpas pelo ocorrido, mas a questão expõe uma mazela grave que atinge o ensino privado no Brasil e sobre a qual a Contee, que representa mais de 1 milhão de professores e técnicos administrativos que atuam no setor, não poderia se calar: a pedagogia da falsa meritocracia, que, na verdade, é uma pedagogia baseada no privilégio econômico e no estímulo à discriminação de classe.

Esse ponto está diretamente relacionado àquilo que a Contee combate desde sua fundação, em 1990: a mercantilização da ensino. Isso é o que tem dado errado: a transformação da educação de direito constitucional, que deveria ser público, gratuito e universal, em mero serviço. Ou pior, em mercadoria que pode ser vendida a preços cada vez mais altos a uma elite que pensa que tudo se compra.

O desrespeito a profissões dignas é algo que repudiamos com veemência. Por isso, manifestamos nossa defesa da valorização do trabalho e dos trabalhadores em todas as suas formas, combatendo a visão escravagista que persiste no Brasil. Enfatizamos ainda nossa posição em prol de uma educação libertadora, transformadora e formadora de cidadãos. Adolescentes são inteligentes e capazes de refletir, mas é preciso que a escola também seja um espaço que estimule o pensamento crítico sobre a realidade, a reflexão e a formação para a cidadania.

Brasília, 6 de junho de 2017.

Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino — Contee

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here