Sinpro faz ações contra demissões irregulares de professores do Colégio Piracicabano e da Unimep

70
0
COMPARTILHE

O Sinpro Campinas e região reuniu-se ontem, dia 10, com os professores do Colégio Piracicabano e da Unimep para tratar sobre as demissões dos docentes e as irregularidades cometidas pela Rede Metodista. Representaram o Sindicato o presidente, Carlos Virgilio Borges, a secretária geral, Conceição Fornasari, e o advogado, Marcel Serpellone.

Os docentes presentes foram informados das ações que o Sindicato está tomando perante às demissões irregulares e o não pagamento do salário e do décimo terceiro. No dia 21 de dezembro, o Sinpro protocolou uma denúncia junto ao Ministério Público do Trabalho. Em resposta, o MPT afirmou que a Rede Metodista não havia informado sobre as demissões e requisitou ao Sindicato uma lista de todos os docentes demitidos, para que possa encaminhar a denúncia.

Os professores que ainda não entraram em contato com o Sinpro para informar da sua demissão devem encaminhar um e-mail para o sinprocampinas@sinprocampinas.org.br com as seguintes informações: nome completo, idade, CPF e data de admissão e de demissão até amanhã, dia 12, para que a lista seja encaminhada ao Ministério Público do Trabalho na próxima segunda-feira, dia 15. O Sindicato também protocolou junto à Universidade e ao Colégio, na tarde desta quinta-feira, 11, uma notificação pedindo os nomes dos docentes demitidos.

É importante lembrar que a Rede Metodista descumpriu o acordo que havia feito com o Sinpro, de encaminhar a lista com os professores demitidos até o dia 28 de dezembro de 2017.

Além do encaminhamento da denúncia, o Sindicato está realizando outras ações para que a Rede Metodista cumpra suas obrigações legais e regularize a situação trabalhista dos docentes.

Foi protocolada, ainda, na manhã desta quinta-feira, 11, uma notificação para o Colégio Piracicabano solicitando o pagamento das verbas rescisórias, os depósitos da multa do FGTS e as demais obrigações trabalhistas. O prazo para resposta da instituição é de 24 horas, caso não haja manifestação do Colégio, o Sinpro informará aos docentes a possibilidade de ingressar com ações individuais.

Quanto à Unimep, o Sindicato ingressará com uma ação coletiva na Justiça do Trabalho para reintegrar os professores, cujas demissões não seguiram o Estatuto e Regimento da Universidade.

Amanhã, dia 12, às 10h00, o Sinpro e a Adunimep participarão de uma audiência na Unimep, no Campus Taquaral, com representantes do Instituto Educacional Piracicabano.

Histórico

Não é a primeira vez que a Rede Metodista descumpre o Estatuto e Regimento da Unimep e demite arbitrariamente. Em dezembro de 2006, foram demitidos 148 professores da Universidade, sem justa causa e sem consulta aos Conselhos de Faculdade, como prevê o Estatuto. Graças a uma ação coletiva do Sinpro Campinas os docentes foram reintegrados duas semanas após a demissão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here