E vem lá de São Paulo – Fepesp: Identificação com professores é a chave da boa comunicação sindical

O título deste texto tem menos de 70 caracteres. Cabe nas principais redes sociais e não aparece cortado em mecanismos de busca como o do Google. Quem dá a orientação é o especialista em meios digitais Marcelo Soares. Jornalista da Folha de S.Paulo, Soares ministrou uma oficina para os profissionais de comunicação dos 26 sindicatos integrantes da Fepesp, na terça-feira (30), no auditório do Sinpro São Paulo.

Com a temática de “como ser lido na web”, o jornalista traçou um dos principais problemas de quem produz conteúdo para meios digitais: cada vez é mais fácil de publicar e cada vez é mais difícil de ser lido. “Não tem nada mais informativo do que histórias de pessoas, e nos sites dos ‘Sinpros’ não se vê isso. Eu encontrei a voz do sindicato, que é importante, é a missão do trabalho de vocês. Mas precisaria ter a voz do professor. Contar casos de sucesso na carreira dos professores, por exemplo, cria identidade do leitor com o seu site”, diz, ao falar sobre a ausência de narrativas que tenham professores como referência.

Entre as dicas, Soares deu orientações de como os sindicatos podem alcançar a base – no caso, professores e auxiliares da rede privada – com qualidade e em maior número, aproveitando-se de que “hoje todo mundo tem acesso à internet no bolso”. Outro alerta foi quanto ao uso de jargões, que não criam identificação com a categoria. Um exemplo citado foi o “PL 4330 – da terceirização”: será que a categoria acompanha o projeto pelo número? Segundo o especialista, os sindicatos têm a vantagem de conhecer o seu público de antemão. Então, partindo daí, precisaria responder a questões básicas como “o que a gente espera que esse público faça? E que ideia podemos passar para esse público?”.

união entre entidades que integram a Fepesp é um ponto chave levantado pelo jornalista. O uso compartilhado de informações e a possibilidade de ter 25 meios digitais deve ser aproveitado para aumentar a visibilidade e a força dos sindicatos. “Uma parceria legal pode reforçar todo mundo. Claro que depende do que você produz. O Sindicato de São Paulo vai publicar um evento que só ocorrerá em Bauru? Não. Mas vídeos e artigos de interesse público devem ser usados por todos os sindicatos”, diz Soares.

Informação é uma dieta

Em meio à infinidade de alternativas, a internet pode ser um caminho sem volta. O feed de notícias – a famosa “linha do tempo” – de redes sociais como Facebook e Twitter não para e não costuma esperar o tempo de leitura de quem está do outro lado da tela. Como, então, prender a atenção do internauta? “A busca se dá por um leitor devotado, atento e fiel à mensagem que queremos passar. Esse é o grande gargalo hoje: a questão de como a gente se conecta com o público”, diz.

Como em uma dieta, a informação deve ser consumida de forma saudável e balanceada. Esta ideia Soares traz do livro “A Dieta da Informação: Uma Defesa do Consumo Consciente”, do escritor Clay A. Johnson. O bombardeamento de textos, vídeos e fotos não só tornou o tempo mais escasso, como influenciou também na atenção dada pelo leitor.

Na internet , o primeiro elemento visualizado pelo leitor é o título. É o que determina se o leitor continuará na página ou não. “O título é uma arte pouco apreciada. No entanto, cada vez mais ele se torna importante”, diz.

A busca pelos cliques deve ser acompanhada pelo tempo que um internauta permanece em uma mesma página. Como instrutor de técnicas de reportagem pensadas para a web, Soares dá as dicas para o formato do conteúdo:

·         Título: unidade básica da descoberta;

·         Texto: unidade básica de informação;

·         Imagem: unidade básica de identificação e facilitadora de compartilhamento;

·         Lista: organiza informações e oferece valor;

·         Vídeo: deve ser conciso e bem editado.

O valor de cada palavra

Todo jornalista sabe que, para uma comunicação eficiente, o texto precisa ter uma linguagem clara e objetiva. No ambiente da internet, a redação deve ser ainda mais precisa e obedecer a uma economia maior de palavras, com o uso de termos curtos e conhecidos do público. Para ajudar os profissionais da imprensa a desenvolver a habilidade de produzir conteúdo de relevância na rede, foi criado o livro “Como escrever para a web”, escrito pelo jornalista colombiano Guillermo Franco e traduzida para o português pelo Marcelo Soares.

Atrair a atenção das pessoas na internet e fazê-las compartilhar suas notícias são o principal objetivo dos veículos de imprensa. Acontece que várias equipes de comunicação ainda se sentem frustradas quanto ao seu limitado alcance na web. Esse problema pode estar relacionado à falta de identificação da reportagem veiculada com o público-alvo. “Quando isso acontece é porque falta o ‘gatilho’ que atiça no leitor a sua vontade de querer abrir aquele determinado site”, afirma Soares.

Para o instrutor, a internet é uma ferramenta fascinante por que é adaptativa às necessidades de cada um, sendo possível construir qualquer tipo de linguagem que torne a informação mais interessante e inteligível. Os textos online precisam, portanto, passar por um processo de maturação e se adaptar às particularidades deste meio. Em seis capítulos, o livro ‘Como escrever para a web’ explica, de uma maneira fácil e intuitiva, técnicas como o uso da pirâmide invertida, uso da voz passiva e a minimização de pontuação sempre que necessário, além de conceitos que medem o padrão de leitura de um usuário em uma homepage e a facilidade com que ele tem de ler e interpretar um texto da internet.

O livro é um manual imprescindível para todos os jornalistas. E a discussão sobre como melhorar a produção textual para o ambiente online também continua no Facebook, onde mais de mil jornalistas de várias partes do mundo compartilham suas experiências no grupo ‘Cómo escribir para la web’.

Da Fepesp

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  +  76  =  82

Botão Voltar ao topo