Educação, satisfação pessoal e saúde são prioridades no país, diz índice

Índice de qualidade de vida da OCDE ganha versão em português. Ferramenta permite comparar prioridades de diferentes países.

Darlan AlvarengaDo G1, em São Paulo

Educação, satisfação pessoal e saúde são as prioridades do brasileiro em termos de qualidade de vida, segundo o Índice para Uma Vida Melhor (Better Life Index, em inglês), desenvolvido pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) para tentar mensurar o nível de bem-estar nos países.

Até então, o aplicativo interativo no site da OCDE – a partir do qual é elaborado o índice – estava disponível em inglês, francês, espanhol, alemão e russo. A versão em português foi lançada nesta segunda-feira (9) em São Paulo. Com isso, ele passa a ser o 6º idioma disponível para a participação na formulação do indicador.O índice, lançado em 2011, é uma ferramenta colaborativa na qual os moradores de cada país classificam, por ordem de relevância, 11 tópicos: moradia, renda, trabalho, comunidade, educação, meio ambiente, engajamento civil, saúde, satisfação pessoal, segurança e, por fim, equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.

 

As prioridades de cada país apontam pelo índice refletem o preenchimento voluntário do formulário do aplicativo, que permite que cada usuário crie o seu próprio índice. No Brasil, 34 mil já visitaram o site, segundo os organizadores.

A lista de prioridades elencadas pelos brasileiros traz a segurança em 4º lugar, seguida por equilíbrio entre vida pessoal e trabalho, empregos, meio ambiente e moradia. Nas três últimas posições estão renda, comunidade e engajamento cívico.

A ferramenta também permite comparar as preferências de cada país. No índice geral, as preferências mundiais são bem parecidas com as do brasileiro, mas é a saúde o tópico que aparece como o mais importante no mundo, seguido por satisfação pessoal e educação.

O lançamento do índice no Brasil às vésperas da Copa aproveitou o apelo do futebol para propor “Transformar o jogo bonito em uma vida bonita”.

Administrado no país em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), o índice pode contribuir para a formulação de políticas sociais. A ideia é oferecer um complemento ao Produto Interno Brunto (PIB), a soma das riquezas produzidas no país, com dados que possam ir além dos indicadores econômicos.

“Poderemos elaborar um diagnóstico mais profundo e multilateral das nossas necessidades, e a partir daí traçar políticas públicas”, destacou o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, durante o lançamento.

O ex-jogador Pelé também participou do evento de lançamento do índice em São Paulo e listou aquilo que ele considera os pontos prioritários para o bem-estar no Brasil. Pela ordem: educação, saúde e satisfação pessoal. “Foi o que eu precisei para dirigir a minha vida”, disse.

Do G1

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

84  +    =  92

Botão Voltar ao topo