Feteerj: Participa da inauguração do Comitê Popular e Sindical de Lutas

Movimento sindical inaugura Comitê Popular e de Lutas para a eleição 2022, com a presença da direção da Feteerj e Sinpro-Rio
Na quarta-feira (13), a direção da Feteerj esteve presente na inauguração do Comitê Popular e Sindical de Lutas, no Centro do Rio. O comitê une centrais sindicais, sindicatos e movimentos populares no apoio ao campo democrático, na eleição geral de outubro, contra a reeleição do atual presidente. A Feteerj vai participar das ações do comitê nesta eleição.

Siga o comitê no instagram.

A Feteerj, em seu Congresso, em março, deliberou que a eleição de 2022 é fundamental para o povo brasileiro e em especial para os trabalhadores. Assim, foi decidido se engajar na eleição em favor de um projeto de nação que se contraponha ao atual governo, que vem destruindo nosso país, colocando-o num patamar de desprestígio internacional sem precedentes, além de negar o atendimento mínimo das necessidades básicas a população.

Para isso, é necessário impedir a reeleição do atual presidente. Essa é uma das missões da Feteerj e dos Sindicatos dos Professores filiados.

Esse objetivo vale tanto para o governo federal, quanto para o estado do Rio de Janeiro, que se encontra falido, econômica e socialmente, e necessita de um governo com um projeto estratégico de desenvolvimento, que promova a defesa intransigente da liberdade democrática, incluindo a luta contra o perigoso crescimento das milícias paramilitares.

É preciso entender que esta determinação em nada se apresenta dissociada do seu papel histórico de defesa dos direitos do magistério.

Ao lado, o calendário de lutas de julho e agosto.

Leia, a seguir, alguns dos principais eixos, em nível nacional, defendidos pela Feteerj e os Sindicatos dos Professores filiados:

  • Revogar a Reforma Trabalhista de 2017;
  • Revogar a lei do Teto de 2016, que impede o investimento nos serviços públicos;
  • Revogar a Reforma da Previdência de 2019;
  • Estancar o processo de privatizações;
  • Impedir qualquer medida que implique em retrocesso na Constituição e no processo democrático brasileiro;
  • Revogação da Reforma do Ensino Médio e rediscutir a proposta, com debates amplos e profundos junto à categoria e à sociedade;
  • Revogação da BNCC e defender a construção de um modelo de base curricular que incorpore o conjunto de demandas da sociedade e que tenha no magistério um segmento a ser efetivamente ouvido em sua elaboração.

Da Feteerj

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  +  4  =  9

Botão Voltar ao topo