Flexibilização da posse de armas dificulta prevenção de casos como o de Suzano

49
0
SHARE

O aumento da possibilidade de obtenção de posse de armas de fogo promovida pelo governo Jair Bolsonaro (PSL) vai na contramão de medidas necessárias para que não se repitam tragédias como a ocorrida em Suzano, região metropolitana de São Paulo, na manhã desta quarta-feira (13). Pelo menos 8 pessoas foram mortas a tiros, entre estudantes e funcionários da escola estadual Raul Brasil. Após o atentado, os dois atiradores se mataram.

Essa é a opinião de dois especialistas em segurança pública ouvidos pelo Brasil de Fato, ainda que tenham ressaltado a necessidade de maior apuração para se ter os elementos envolvidos no caso de Suzano – a motivação, o tipo de arma utilizada, etc.

Ivan Marques, diretor-executivo do Instituto Sou da Paz, defende que “muito do que foi colocado no Estatuto do Desarmamento ainda não foi colocado em prática”, sendo “preciso fazer um trabalho para retirada de armas ilegais” da sociedade. Segundo ele, as investigações policiais têm pouco foco em saber como as armas de fogo param na mão de agentes violentos.

O centro de uma política que evite crimes violentos, entretanto, é a diminuição do número de armas em geral, isso porque há conexão entre o mercado formal e a circulação ilegal de armamento.

“Principalmente a arma curta – o revólver e a pistola – nós conseguimos saber que ela é produzida no Brasil, vendida aqui e perdida para a criminalidade. Há uma ligação direta entre o mercado legal e o ilegal. Essa arma alimenta o crime e também situações como essa”, diz.

A conclusão de Marques é, neste sentido, de que a medida tomada no início do governo Bolsonaro é negativa para que se evite esse tipo de crime violento e outros.

“O Decreto da primeira semana de governo justamente aponta para a situação contrária, aumenta para o incremento do fluxo de armas. Qualquer medida que aumento o fluxo de armas, invariavelmente vai gerar esse tipo de consequência”, critica.

Daniel Cerqueira, conselheiro do Fórum Nacional de Segurança Pública, concorda. E complementa, apontando que as sinalizações do governo estimulam atos violentos. Ele fala em um “kit desastre” – composto pelo decreto e pela proposta de ampliação da legítima defesa para policiais – que está levando a sociedade a um processo de “embrutecimento”. A combinação das medidas normativas com o clima político, em sua opinião, pode levar a um aumento de casos desse tipo.

“Muitas vezes, essas armas, dentro de casa, vão ser usadas por crianças e adolescentes em acidentes domésticos e nesses casos que cada vez mais repetem o que acontece nos EUA. A base do princípio civilizatório é a empatia. Quando se começa a ter um clima de intransigência, o outro passa a ser visto como inimigo. A desumanização é o primeiro passo para diminuir os custos psicológicos de perpetrar a extinção do outro”, argumenta.

O integrante do Fórum também defende que, para casos desse tipo, que muitas vezes envolvem aspectos psicológicos complexos, é necessário uma política permanente no ambiente escolar para que se evite o bullying, ainda que não se saiba as motivações específicas do caso de Suzano.

Repetição

O caso de Suzano, conforme relata Cerqueira, segue um padrão infelizmente comum nos EUA, onde unidades educacionais já foram alvos de crimes em diversas situações.

No Brasil, nos últimos anos, houve casos similares em Medianeira (2018), no Paraná; em Janaúba (2017), em Minas Gerais; em Goiânia, capital de Goiás (2017); em João Pessoa, Paraíba (2011); em São Caetano do Sul (2011), também na região metropolitana de São Paulo; e em Realengo (2011), no Rio de Janeiro, quando 11 crianças morreram e 13 ficaram feridas.

Brasil de Fato

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here