Jornalistas brasileiros lançam manifesto em defesa de Assange no Dia Mundial da Liberdade de Imprensa

Entidades de jornalistas de todo o Brasil se somaram à campanha mundial e lançaram um manifesto em defesa da libertação de Julian Assange, fundador do WikiLeaks e trancafiado na prisão de segurança máxima de Belmarsh, em Londres, na Inglaterra, por ter publicado informações sobre os crimes cometidos pelos Estados Unidos no Afeganistão e no Iraque.

Recolhido num presídio de segurança máxima na Inglaterra desde 2019 – após ter permanecido refugiado dentro da embaixada do Equador em Londres, o jornalista investigativo está ameaçado de extradição para os Estados Unidos “onde poderá ser condenado à prisão perpétua e sentenciado à pena de morte”. Seu crime é bem conhecido, alerta o manifesto, ter revelado segredos das máquinas de guerra do império estadunidense e aliados próximos, e comprovado “denúncias de execução e tortura de prisioneiros e de jornalistas.

LEIA A ÍNTEGRA DO MANIFESTO

Neste 3 de maio de 2022, Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, jornalistas de todo o mundo cumprem o dever de prestar homenagem a Julian Assange.

Por sua luta, determinação e exemplo, Assange contribuiu de modo decisivo para o avanço do conhecimento e da proteção do direito à informação em todo o planeta.

Recolhido num presídio de segurança máxima na Inglaterra e ameaçado de extradição para os Estados Unidos – onde poderá ser condenado à prisão perpétua e sentenciado à pena de morte –, seu “crime” é bem conhecido. Revelou segredos das máquinas de guerra das grandes potências, em particular do império estadunidense e aliados próximos.

Denunciou mentiras, desmascarou falsos heróis, desvendou tratativas escusas entre governos. Comprovou denúncias de execução e tortura de prisioneiros e de jornalistas.

Num exemplo de rigor profissional, suas revelações sempre foram acompanhadas por farta documentação e por fotos e vídeos cuja veracidade jamais foi contestada.

Este é o drama com a liberdade de informação neste 3 de maio de 2022. Assange é perseguido – e pode perder a vida – porque ousou dizer a verdade. Não falsificou os fatos, não omitiu, não distorceu, não mentiu nem enganou. Apenas cumpriu o dever de apurar a dura realidade deste nosso século XXI. Também não lhe faltou coragem para reportar o que descobriu.

Pelas responsabilidades que assumiu, pelos riscos que enfrentou, a permanência de Assange na prisão representará um passo na criação de um estado de exceção em escala mundial, compatível com uma nova desordem internacional já à vista no horizonte, que ameaça a liberdade de homens e mulheres e a autodeterminação dos povos.

Em nome de seu direito à liberdade – e também pela preservação de conquistas que interessam a toda a humanidade – só há uma medida correta a tomar: libertar Julian Assange já.

Associação Brasileira de Ensino de Jornalismo – ABEJ / Associação Brasileira de Imprensa – ABI/ Associação Brasileira de Mídia Digital – ABMD/ Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo – SBPJOR/ Associação Profissão Jornalista – APJor/ Centro Acadêmico Benedito Paixão – Jornalismo – PUC-SP/ Centro Acadêmico Vladimir Herzog – Jornalismo – Cásper Líbero/ Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ Instituto Vladimir Herzog – IVH/ Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental – RBJA/ Rede de Jornalistas pela Diversidade na Comunicação (Jornalistas Pretos)/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais – SJMG/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná – Sindijor –Paraná/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná – Sindijor –Paraná/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo – SJSP/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Rio de Janeiro – SJPERJ/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia – SinjorBA/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de Goiás/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Município do Rio de Janeiro – SJPMRJ/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Amazonas/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Ceará/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Dourados/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Pará/ Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Roraima/ Sindicato de dos Jornalistas Profissionais de Santa Catarina/

Hora do Povo

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

69  +    =  70

Botão Voltar ao topo