No Brasil e no mundo, manifestantes lembram vítimas da covid e pedem “Stop Bolsonaro”

47
0
COMPARTILHE
Foto: Renato Cortez

A capital federal foi palco, neste domingo (28), de uma nova manifestação simbólica em memória dos mais de 57 mil mortos pelo coronavírus no país. Fincando 1 mil cruzes brancas em frente ao Congresso Nacional, os participantes do ato também bradaram a frase “Stop Bolsonaro” (“Pare, Bolsonaro”, em tradução literal), em protesto contra a postura do presidente da República diante da pandemia, que atingiu a marca de mais de 1,3 milhão de brasileiros infectados.

A ação faz parte de um movimento internacional chamado ‘StopBolsonaroMundial’ e ocorre hoje em pelo menos 70 cidades de 24 países. A ideia surgiu a partir da mobilização de brasileiros que vivem no exterior. República Dominicana, Itália, Alemanha, Espanha, Áustria, Inglaterra e Nova Zelândia estão entre os pontos do globo que entraram na rota dos protestos.

O ato nas imediações do Congresso também teve caráter ecumênico, com destaque para uma cerimônia que reuniu católicos, anglicanos, evangélicos, espíritas e membros de religiões de matrizes africana e indígena. São Paulo foi um dos pontos de mobilização no país, com concentração de manifestantes na Avenida Paulista.

No país, o ato foi organizado pelo Coletivo Resistência e Ação, formado por membros de partidos de oposição. “Bolsonaro não é uma ameaça apenas para o Brasil, mas para o mundo. Sua atitude diante da pandemia e da destruição ambiental colocam toda a humanidade em risco”, criticou, pelo Twitter, a deputada federal Erika Kokay (PT-DF), que se juntou aos manifestantes. Na rede social, as hashtags “#stopBolsonaro” e “#stopbolsonaromundial” figuraram entre as 15 mais comentadas no Brasil.

Disputa

O movimento se contrapõe às iniciativas de apoio ao presidente da República, em especial aos grupos que atacam os Poderes Legislativo e Judiciário e defendem a ampliação do poder militar sobre a gestão pública no país, além de negarem os riscos relacionados à pandemia e criticarem o isolamento social. Neste domingo, por exemplo, mais uma vez a capital federal foi palco de uma manifestação dessa natureza.

Um grupo com cerca de 50 participantes se reuniu diante do Quartel-General do Exército para atacar o Supremo Tribunal Federal (STF), especialmente por conta do chamado “inquérito das fake news”, que mira membros do clã Bolsonaro e apoiadores, e para pedir intervenção militar, o que é inconstitucional.

A mobilização tem, entre seus apoiadores, nomes que foram alvo de operações da Polícia Federal (PF) neste mês no âmbito das investigações que apuram os atos antidemocráticos.

Brasil de Fato

COMPARTILHE

RESPONDER PARA:

POR FAVOR ENTRE COM SEU COMENTÁRIO!
POR FAVOR ENTRE COM SEU NOME