O Dia Internacional das Mulheres e sua interferência no nosso dia a dia

509
0
SHARE

Por Cristina Castro*

Passei a infância e adolescência na zona rural, o que me fez adquirir saberes poucos comuns à maioria dos meus amigos e amigas, de ordenhar vaca a cozinhar no fogão a lenha. Usando desses conhecimentos — e de uma saudade imensa de minha mamãe —, me atrevi a fazer uma geleia de goiaba nesse último domingo. Deu certo, e ali, por uma hora mexendo aquela geleia até dar ponto, sentindo aquela fumacinha com cheio de mãe subir, planejava mentalmente intervenções para serem feitas nas tantas atividades que aconteceriam durante a semana em função das atividades por ocasião ao 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

Dos conceitos de patriarcado, machismo e feminismo à vida diária das mulheres vítimas de violência e sua ausência nos espaços de poder. E o pensamento de como me tornei feminista também acompanhava o cheiro da fumaça.

As diferenças por sexo sempre me incomodaram e foram motivos de muitas discussões, em especial com o papai, que tinha sempre a frase: essa menina, se demorasse meia hora para nascer, nasceria homem. Por quê? Para mim, não havia limites e discriminação de tarefas e sonhos pelo fato de ser menina. E me deram asas. Esse foi o maior dos presentes que ganhei da vida. No entanto, fiquei ali pensando em tantas famílias que, diferentes do que foi a minha, nutrem possibilidades intelectuais e materiais e mantêm  e defendem práticas tão conservadoras e discriminatórias. Então avanços civilizatórios e humanos não têm a ver com intelectualidade e recursos financeiros? Como mudar a realidade também de famílias como a minha, que também mantêm práticas machistas?

Foram muitas as indagações e a busca por respostas, que as mais variadas teorias não dariam conta de me esclarecer. Mas o que fazer?  Daí tive a certeza — se é que certezas podemos ter quando se trata de ações que visam modificar a “ordem estabelecida” — de que é preciso estar nas ruas, praças, escolas, fábricas, indústrias, enfim, em todos os espaços, debatendo o porquê de se ter atribuições exclusivas para mulheres pelo fato de serem mulheres. Por que isso deveria ser encarado como natural, como se nosso DNA trouxesse a cozinha, a arrumação da casa, o comportamento, a definição profissional, o modo de falar, de se vestir e de se comportar?

Colocar a sementinha e deixar crescer, assim como tantas vezes fiz com a mamãe ou com o papai, e ver ver os frutos serem colhidos por nossas filhas e filhos, ou gerações posteriores, tem que ser nossa tarefa diária. Se indignar-se e rebelar-se forem verbos fortes demais para alguns, podemos atacar de incomodar, discordar; o que não podemos usar é ficar, parar. É bem verdade que a atual conjuntura tem colocado com força o retroceder, e nós estamos no resistir, mas avançar fascina e esse deve ser o recado para este dia 8 de março. Nós, mulheres e meninas, de forma unitária, devemos sair do lugar em que estamos e caminhar em direção a uma sociedade que seja feminista, aqui conceituando o feminismo como a maneira mais radical de tratar as mulheres como gente, com direitos e possibilidades iguais  — na vida, e não só na lei — aos homens. Que esse dia 8 de março nos traga a certeza que empoderar as mulheres, ou seja, que cada mulher saiba de suas possibilidades e de seus direitos.

Que o cheiro de fumaça da geleia, o cheiro de mudança das relações, o cheiro de possibilidades nos movam a avanços e conquistas. Seguimos. Avante!

*Cristina Castro é professora, integrante da Diretoria Plena  da Contee e representante da Confederação na coordenação executiva do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC)

RESPONDER PARA:

POR FAVOR ENTRE COM SEU COMENTÁRIO!
POR FAVOR ENTRE COM SEU NOME