País tem recorde de trabalhadores sem carteira assinada, segundo IBGE

São 13,2 milhões sem carteira. Informalidade se mantém em patamar elevado, com 39,3 milhões de brasileiros no trabalho precário. Desemprego atinge 9,7 milhões de pessoas

O país encerrou o mês de agosto com recorde no número de trabalhadores sem carteira assinada. São 13,2 milhões de pessoas, o maior número da série histórica, iniciada em 2012, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada nesta sexta-feira (30), no trimestre móvel (Jun-Jul-Ago 2022), mais 355 mil pessoas passaram a trabalhar nestas condições e mais 1,8 milhão de pessoas em um ano, sem direitos trabalhistas, em empregos temporários, se integrando ao contingente de 39,3 milhões de brasileiros que estão na informalidade, no trabalho precário, vivendo de bico com uma renda miserável. São 25,9 milhões de pessoas trabalhando por conta própria.

A taxa de informalidade foi de 39,7% da população ocupada de um total de 99 milhões de trabalhadores no trimestre encerrado em agosto de 2022. De acordo com o IBGE, a taxa de desocupação é de 9,1%, com 9,7 milhões de pessoas desempregadas.

No primeiro ano do governo Bolsonaro, com a economia estagnada, a taxa de informalidade no mesmo trimestre de 2019 atingiu o recorde histórico de 41%, superior aos 40% do governo Temer quando foi aprovada a Reforma Trabalhista com a promessa de geração de milhões de empregos. O que gerou foi um contingente de milhões de brasileiros no trabalho precário, no trabalho escravo, e veio se mantendo nesse patamar elevado durante todo o governo de Jair Bolsonaro, com cerca de 40 milhões de brasileiros sem carteira de trabalho e sem direitos trabalhistas, em meio à carestia e com a renda achatada. Os preços dos alimentos dispararam, o endividamento e a inadimplência vêm batendo recordes e a fome explodiu no país, com 33 milhões de brasileiros em comida. Assim como dispararam os preços da conta de luz, dos medicamentos, do gás de cozinha, com aval do Palácio do Planalto, corroendo a renda das famílias, em especial as mais carentes.

Como observou o economista José Luis Oreiro em artigo sobre emprego em seu site, no Brasil existe “uma enorme massa de pessoas ‘empregadas’ em atividades de subsistência de baixa produtividade para simplesmente evitar morrer de fome”.

A população subutilizada, considerada mão de obra desperdiçada, soma 23,9 milhões de pessoas. Além das desempregadas, aquelas que trabalham menos horas do que gostariam e os trabalhadores que não estão buscando emprego, por mais diversos motivos, mas gostariam de trabalhar.

Além disso, há um número de 4,3 milhões de brasileiros no desalento, os que desistiram de procurar emprego.

Hora do Povo

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1  +  7  =  

Botão Voltar ao topo