×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 822

Saep e patroes 2Pelo segundo ano consecutivo, a diretoria do Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar em Estabelecimentos Particulares de Ensino no Distrito Federal (Saep-DF) conquistou importantes benefícios para os trabalhadores das instituições de ensino superior. Um dos principais itens da convenção coletiva, que tem vigência até 2015, é a permanência e o reajuste do auxílio-alimentação, que foi conquistado somente no passado, após intenso trabalho da atual diretoria do sindicato durante as negociações com o sindicato patronal, que sempre se mostrou relutante à ideia.


Para a diretora Merilene Rodrigues, que acompanhou as negociações desde o início, o sentimento que fica é positivo, mas não é hora de descansar, já que uma nova luta se apresenta: a melhoria do benefício. “O auxílio-alimentação sempre foi uma das principais reivindicações do Saep e veio depois de muito trabalho. Entretanto, temos que continuar a nossa luta para melhorar o benefício, pois sabemos que o valor oferecido ainda não é satisfatório”, ressaltou.


A avaliação da diretora traduz exatamente a preocupação com o valor atual do benefício, somente R$ 6,90 diários, a ser pago para aqueles que ganham até cinco salários mínimos. “[O valor] ainda não condiz com a realidade do DF, que tem custo de vida muito alto. Esse valor ainda é baixo e reivindicamos um reajuste maior”, disse.


Outra conquista importante do acordo negociado neste ano foi o pagamento do abono salarial, no valor de R$ 250, a todos os auxiliares de educação. Segundo Merilene, o benefício é uma compensação aos trabalhadores, que recebem baixos salários. “A área da educação é um dos setores que concentram os maiores lucros no país. Mesmo assim os patrões relutam em conceder benefícios e salários que valorizem os trabalhadores e que condigam com a realidade do DF”.


Benefícios

 

Também ficam garantidos na CCT do ensino superior a ampliação para nove dias de dispensa em caso de gala e luto (quatro dias a mais que a convenção anterior); a unificação do piso salarial, independente do grau de escolaridade do auxiliar; aumento salarial de 6%; e a manutenção da bolsa de estudo para a categoria, como forma de capacitação.

 

Valorização dos trabalhadores

 

Apesar das conquistas, o Saep critica a forma como os empregadores têm negociado, com posicionamentos retrógrados em relação à valorização dos profissionais da educação. “Algumas propostas nem são analisadas ou discutidas. Simplesmente, são descartadas pelo patronal”, observa Merilene.


“Conseguimos avançar neste ano, mas ainda não foi o suficiente”, disse a diretora. Segundo ela, é necessário que a categoria, desde já, se organize com o sindicato para fortalecer a luta por melhores condições de emprego, salários e benefícios, inclusive com garantias nos planos educacionais. “Apesar de assinada, não é hora de descansar. Pelo contrário, nossa luta continua”.

 

Do Saep-DF

Publicado em CURTAS DAS FILIADAS
Terça, 24 Novembro 2015 13:17

Sinproep-DF no Domingo de Greve

5 Curtas das filiadas SinproepDF 2 Credito Sinproep DFO Sinproep-DF realizou a manifestação do Domingo de Greve no Parque da Cidade, com um encontro descontraído entre os professores e professoras e a realização de um churrasco.


A confraternização, como parte da mobilização organizada pela Contee e pela Fitrae-BC, serviu para, de maneira simbólica, mostrar para a sociedade a forma de exploração a que é submetida a categoria de professores, que são obrigados a sacrificar o convívio com a família, nos domingos e feriados, para cumprir tarefas escolares para as quais não recebem.


A manifestação foi uma forma de dizer que o domingo existe não para o professor se ocupar com trabalho de escola, mas para se entregar ao lazer e ao descanso com a família. Muitos dos presentes que estranhavam a proposta de greve no domingo passaram a compreender o objetivo do movimento.


Rodrigo de Paula, presidente do sindicato, disse do objetivo da mobilização do Domingo de Greve instituído pela Contee e que a manifestação é o início de um trabalho que renderá frutos com seu prosseguimento e vai contribuir como pauta prioritária nas próximas negociações com os empregadores.


Dezenas de professoras e professores e convidados estiveram presentes ao evento e desfrutaram de um dia de domingo ameno, jogando conversa fora e com as crianças se divertindo a valer.


A vice-presidente do Sinproep-DF, Karina Barbosa, e os diretores Sirlei Rodrigues, Gláucie Madureira, Alberto Ribeiro e Trajano Jardim participaram do ato.

 

(Do Sinproep-DF)

Publicado em CURTAS DAS FILIADAS

professores2Será realizada em 23 de outubro uma Sessão Solene na Câmara Legislativa em comemoração ao Dia dos Trabalhadores na Educação, requerida pelo Deputado professor Israel.


Na data será homenageado o Sinproep-DF, pela passagem do 8º Aniversário do sindicato, fundado em 22 de outubro de 2005, e entregues títulos de Menção Honrosa a diversos professores com reconhecido trabalho prestado à educação do DF.

 

Do Sinproep-DF

Publicado em CURTAS DAS FILIADAS

A data para comemoração é o dia 15 de outubro. Em vários estados a homenagem já é garantida na Convenção Coletiva de Trabalho

 

5 Curtas das filiadas Saep Foto 1 Credito SaepEducação se faz dentro e fora da sala de aula. E para reconhecer o importante trabalho que os profissionais não docentes realizam nas instituições de ensino, tramita no Congresso Nacional o Projeto de Lei (PL) 7.549/10, que institui o Dia Nacional dos Trabalhadores em Educação.


No dia 4 de setembro houve um importante avanço na tramitação do projeto, quando a Comissão de Cultura da Câmara aprovou o parecer da relatora, deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), recomendando a aprovação do projeto. A votação foi acompanhada pelos diretores do Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar em Estabelecimentos Particulares de Ensino no Distrito Federal (Saep-DF).


O projeto, de autoria do deputado Roberto Santiago (PSD-SP), será apreciado agora pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC). Se aprovado e não houver recurso, o texto vai à apreciação do Senado.


“Esta é uma justa homenagem aos trabalhadores e profissionais não docentes da educação. O reconhecido valor do trabalho desses profissionais na promoção de um ambiente escolar bem-sucedido exige que a homenagem a eles também seja oficialmente unificada em uma data nacional”, disse a deputada em seu relatório.


A Comissão aprovou, ainda, duas emendas ao projeto, também apresentadas pela relatora, propondo as seguintes alterações: 1) a data comemorativa, em vez de 1º de março, como sugerido no projeto original, será no dia 15 de outubro, Dia do Professor; 2) a data será nomeada como Dia Nacional dos Trabalhadores em Educação, e não mais como Dia Nacional dos Auxiliares da Administração Escolar.

 

Amplitude e pertinência


“A expressão é mais ampla e abrange professores e auxiliares e também é mais apropriada em razão do fato de vários sindicatos de auxiliares estarem discutindo mudança em seus nomes, por entenderem que muitas das atividades exercidas por esses trabalhadores não são propriamente auxiliares”, defendeu a deputada (leia na sequência a entrevista completa com a deputada).


O presidente do Saep, Mário Lacerda, comemorou a aprovação na CCult. “Nossos esforços não foram em vão. Temos acompanhado atentamente a tramitação do projeto e lutado pela sua aprovação. Agradecemos à deputada, que acolheu nossas sugestões e votou favorável à proposição”, disse Lacerda.


“Nossa categoria é muito ampla, muito heterogênea, somos o secretário escolar, o técnico em informática, o orientador pedagógico, o porteiro, o auxiliar de limpeza, o coordenador, entre outros. Lutamos pelo reconhecimento e pela valorização desses trabalhadores que também fazem educação, pois educação não se faz só dentro da sala de aula”, ressaltou Lacerda.


Ações


Além do Saep, também apoiam o projeto que cria o Dia Nacional dos Trabalhadores em Educação as confederações nacionais dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee) e dos Trabalhadores em Educação (CNTE).
O Saep prepara estratégias de ação para que todas as manifestações de apoio das entidades de trabalhadores em educação sejam levadas aos deputados, no sentido de cobrar o apoio dos parlamentares.

 

 

Leia a seguir a entrevista exclusiva com a deputada Professora Dorinha:

 

deputada professora dorinhaQuais os principais pontos do projeto?

O projeto original tinha o objetivo de fazer uma justa homenagem ao administrador escolar. Numa perspectiva de que quem faz a escola não é só o profissional docente, existem outros profissionais e hoje várias áreas já são reconhecidas como áreas administrativas da educação. Temos o exemplo do profissional de apoio, aquele que cuida da área da alimentação, o que cuida do sistema administrativo, diversos profissionais, inclusive bacharéis em educação, que dão apoio para a escola funcionar e que constroem a educação do mesmo jeito.

 

Uma das suas emendas é a alteração da nomenclatura para Dia Nacional dos Trabalhadores em Educação. Por quê?

No meu substitutivo eu acabei adotando a terminologia mais atual, que é o termo trabalhadores, ou profissionais, em educação, que engloba todos esses demais profissionais não docentes e que são elementos essenciais na construção de uma educação de qualidade.

 

Por que também sugeriu a alteração da data comemorativa?

A ideia é incorporar a data do dia 15 de outubro, que é uma data que há mais de 50 anos homenageia o professor, e por justiça incluir esses profissionais que, com diferentes papéis, ajudam a construir uma boa escola.

 

O que muda para os profissionais no seu local de trabalho?

A primeira perspectiva é o reconhecimento. Infelizmente, o sistema, às vezes, enxerga esse profissional como um apêndice da escola, dificilmente você vê um reconhecimento. Às vezes até o coordenador pedagógico da escola, que tem um trabalho muito próximo ao professor, não é enxergado também como elemento de construção de uma educação de qualidade. Então, a nossa expectativa é que a partir de agora, tanto os estados como os municípios, e o MEC (Ministério da Educação), que lida com política pública, incorporem essa visão que já vem mudando na própria realidade.

 

Os professores e os auxiliares se enxergam como profissionais da educação?

Se enxergam sim e se respeitam. Uma coisa que é importante é a concepção de que a educação no espaço da escola não acontece só dentro da sala de aula, mas educação acontece nos corredores da escola, quando você acompanha os alunos, quando orienta costumes, cultura, práticas, valores. Hoje, na biblioteca escolar, temos experiências belíssimas desse trabalho, que é feito por um técnico ou outro profissional, ou uma pessoa que lida com a informática, pois esses profissionais lidam na perspectiva da educação, que é uma perspectiva mais ampla.

 

Como esse projeto vai melhorar a realidade dos trabalhadores em educação?

Esse projeto é um reconhecimento e uma provocação para a construção de uma política mais ampla de formação docente e não docente. Existe um consenso nesse respeito e nessa visão mais ampla de educação. 

 

 

Do Saep-DF

Publicado em CURTAS DAS FILIADAS

5 Curtas das filiadas Sinproep DF Credito DilvulgacaoNo dia 10 de julho foi assinada a Convenção Coletiva (CCT) para 2013/2014. Conseguimos fechar um acordo com o Sindepes-DF que trouxe vantagens pelas quais nós lutávamos há algum tempo.


Depois de quatro rodadas de negociação conseguimos assinar um acordo que, se não atende totalmente os anseios da categoria dos professores e coordenadores representados pelo Sinproep-DF, trouxe avanços e foi resultado da nossa mobilização e da firmeza dos membros da comissão na mesa de discussão.


A nossa pauta era de reajuste com base no INPC, mais aumento real de salário e um abono salarial pago de uma só vez, além de outros pontos importantes, como: a ampliação da licença-maternidade; a regulação do número de alunos em sala de aula; a manutenção da bolsa de estudo.

 

Reajuste – Os salários dos professores, devidos a partir de 1º de maio de 2013, serão, em cada estabelecimento de ensino, equivalentes ao valor da hora-aula de 1º de maio de 2012, acrescido da parcela resultante da aplicação do índice de 7,16%, correspondente à variação acumulada do INPC de maio de 2012 a abril de 2013.

Ganho real de salário – Ganho real de 0,34%, de forma que o reajuste totalize 7,5%.


Abono salarial – A título de abono, que não integrará o salário para qualquer efeito, deverá ser paga a importância no valor total correspondente a 5% do salário do docente, em uma parcela para o vencimento do mês de julho de 2013. O referido abono deverá ser pago somente aos professores que estavam com o contrato vigente no mês de maio de 2013, e calculado sobre o montante do salário devido no mês de abril de 2013.


Do Sinproep-DF

Publicado em CURTA DAS FILIAIS

No Dia do Trabalhador, a Fitrae-BC e o Sinproep-DF renderam homenagem, em seus sites, aos trabalhadores que deram origem à data e aproveitaram a oportunidade para reafirmar a importância da luta.


“Esta data é um momento importante para nós professores e professoras do ensino privado, que estamos em campanha para renovação das nossas Convenções no Ensino Básico, Ensino Superior e do Sesc. Neste sentido, queremos fazer um chamamento para que todos, seguindo o exemplo daqueles que no passado lutaram pelos seus direitos de forma corajosa, juntarem-se ao Sindicato nesse momento em que a intransigência patronal está a exigir mobilização e união, para que possamos alcançar os nossos objetivos de respeito e valorização da nossa profissão e de melhores condições de vida”, diz a nota do Sinproep-DF.


“O Dia Mundial do Trabalho foi criado em 1889, por um Congresso em Paris, para homenagear a luta dos trabalhadores em Chicago, o principal centro industrial dos Estados Unidos naquela época. Milhares de trabalhadores foram às ruas em defesa da redução da jornada de trabalho de 13 para 8 horas diárias. Neste 1º de Maio, a diretoria da Fitrae-BC vem render homenagem aos trabalhadores mártires de Chicago que nos legaram com suas vidas os direitos trabalhistas que temos hoje, e conclamar as entidades filiadas a estar juntas nas lutas que estão em marcha na busca de melhores condições de vida para os trabalhadores na educação privada e por um ensino de qualidade”, reiterou a Fitrae-BC. “Salve o 1º de Maio! Viva os Trabalhadores na Educação!”

 

Da Fitrae-BC e do Sinproep-DF

Publicado em CURTA DAS FILIADAS