Sinpro Caxias: Carta aberta à Comunidade Caxiense

O cenário que atravessamos é grave

O presidente da nação vem a Caxias do Sul e visita uma Universidade. Poderia ser um momento de júbilo pela exposição nacional das nossas qualidades e do potencial do conhecimento, da ciência e da cultura.

O cenário que atravessamos é grave, porém. Talvez o mais grave da nossa história e manifestamos uma grande preocupação.

Representamos professores que correm riscos nos locais de trabalho, ainda sem a imunização completa pela vacinação. Professores que testemunharam a crise nas famílias, com a perda de empregos e poder aquisitivo. Docentes que perderam, também eles, seus empregos e renda. E estão questionando a esperança no futuro, diante do negacionismo, da falta de investimentos em educação e pesquisa, dos ataques constantes aos direitos trabalhistas e humanos.

Caxias do Sul está triste com pessoas dormindo nas calçadas geladas; gás, gasolina e energia elétrica caros demais para que todos possam viver dignamente o inverno. Caxias chora as 1.160 vítimas da Covid-19, que se somam ao meio milhão de mortes no Brasil. Perdas de pais, alunos, professores, diretores. Mortes que poderiam ter sido evitadas com outra postura do governo no enfrentamento da pandemia.

Visitando nossa mais antiga instituição superior, nascida do esforço pessoal de muitos professores, mantida com mensalidades de alunos, Jair Bolsonaro poderia engrandecer a inovação representada pelo grafeno como aliada na qualidade de vida de mais pessoas.

O momento é de defesa da VIDA. De impulsionamento do conhecimento. De fortalecimento da ciência que se desenvolve nas escolas e universidades e se coloca a serviço do bem-estar social.

O que se deveria esperar do presidente da República, em uma realidade democrática, ética e humanista, seria que contribuísse, na passagem por nossa cidade, com a implementação desses valores associados à vida.

Do Sinpro Caxias

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  +  51  =  59

Botão Voltar ao topo