Sinpro/RS: Consulta vai orientar reinício das aulas presenciais no RS

41
0
COMPARTILHE

Entidades ligadas à Educação devem se posicionar sobre reabertura das instituições de ensino e sugerir protocolos até 12 de julho

Ao mesmo tempo em que alerta para o agravamento da pandemia de Covid-19 com risco alto de contágio para 46% da população, o governo do estado projeta a reabertura das instituições de ensino para o reinício das aulas presenciais. Com a proposta de elaborar uma solução coletiva e colaborativa para a volta às aulas de forma gradual e por etapas, o governo iniciou nesta quinta-feira, 2, uma consulta a 1.520 entidades representativas sobre a retomada presencial das atividades de ensino. Até o dia 12 de julho, serão recebidas sugestões sobre o retorno das aulas e protocolos de prevenção por meio de formulário eletrônico.

“Chegamos a anunciar um modelo para o retorno gradual do ensino presencial no estado, mas é evidente que, diante do momento crítico que estamos vivendo, não haverá aulas presenciais neste momento. Mas se o agravamento da pandemia gerou a necessidade de suspendermos o que inicialmente havíamos proposto, também nos trouxe uma oportunidade para aprimorarmos a proposta”, justifica o governador Eduardo Leite (PSDB).

Embora ainda não tenha uma data, o governo já definiu que o retorno das atividades presenciais será gradual e por etapas de ensino, a cada duas ou três semanas. No formulário enviado diretamente a cada entidade, são apresentados quatro cenários, começando pela educação e deixando por último o ensino superior, por exemplo, ou iniciando e finalizando com a educação infantil. No entanto, cada avaliador poderá apresentar um cenário próprio.

Arte: Seduc

A educação movimenta, no Rio Grande do Sul, mais de 2,5 milhões de pessoas da pré-escola à pós-graduação. Um retorno representa cerca de 20% da população que voltarão a circular e a conviver em ambientes fechados.“É muita gente envolvida e, evidentemente, devemos ter todo o cuidado, porque significa uma grande circulação de pessoas nos deslocamentos e, em grande parte do tempo, que ficarão juntas e ambientes quase ou fechados. Mas, de outro lado, temos a preocupação porque estamos falando da formação dos adultos que queremos, do futuro das gerações”, destacou Leite.

Leany Lemos, coordenadora do Comitê de Dados, que coordena a consulta pública juntamente com as secretarias da Saúde e da Educação e o Gabinete de Crise, afirma que, dentre os 12 setores mapeados pelo Distanciamento Controlado, o da educação é o “mais complexo” em relação ao enfrentamento à pandemia.

Arte: Seduc

“Não estamos falando de adultos, mas de crianças e adolescentes e, em muitos casos, de pessoas que não têm condições de seguir os protocolos e de cuidar da própria higiene. Existem muitos aspectos pedagógicos e sanitários envolvidos. Por isso, estamos trabalhando olhando para outros países, boas práticas e o que os mais recentes trabalhos científicos têm apontado. Chegou o momento de ouvir as entidades que representam diversos interesses e setores, para que a decisão do governo seja a mais bem alinhada com os desejos da sociedade”, explica Leany.O secretário da Educação, Faisal Karam, destacou que algumas entidades de ensino já vinham sendo ouvidas nesse processo de construção, mas que, agora, a consulta está sendo estruturada e amplificada.

“É um momento fantástico que o governo está proporcionando a toda a sociedade, afinal, são entidades que representam diferentes setores e olhares. Tenho certeza que estamos dando um passo importante, um grande avanço”, acredita.

Do jornal Extra Classe, do Sinpro/RS

COMPARTILHE

RESPONDER PARA:

POR FAVOR ENTRE COM SEU COMENTÁRIO!
POR FAVOR ENTRE COM SEU NOME