STF suspende aplicação da Lei da Escola Livre em Alagoas

442
0
SHARE

O ministro Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou, nesta terça-feira, dia 21, a suspensão da integralidade da Lei 7.800/2016, conhecida como Lei da Escola Livre, de autoria do deputado Ricardo Nezinho (PMDB). A decisão de Barroso atendeu à ação direta de inconstitucionalidade da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (CNTE).

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, já havia emitido parecer alegando inconstitucionalidade da lei em vigor em Alagoas. De acordo com a lei, o professor deve manter neutralidade política e religiosa, ficando também proibido de ‘incitar’ seus alunos a participarem de manifestações, atos públicos ou passeatas.

O Sindicato dos Professores de Alagoas (Sinpro/AL) subsidiou o pedido da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino (Contee) sobre Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) que foi julgada. O Sinpro/AL defendeu junto a Contee que as atuações dos educadores seriam limitadas caso a Lei fosse implantada.

A lei provocou grande polêmica antes mesmo da sua aprovação. Entidades ligadas à educação classificaram a lei como uma ‘mordaça’. Apesar do ‘levante popular’, a Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) aprovou a lei, cuja aplicação foi suspensa com a decisão do STF.

“Derrubar a lei da mordaça é uma vitória fundamental na defesa da educação e da democracia. Fizemos a luta, mobilizamos a sociedade, e denunciamos esse absurdo. Nossos advogados conseguiram a vitória na justiça, e foram até a última instância, até chegar ao resultado. Continuamos na luta, em defesa da liberdade”, avaliou Consuelo Correia, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas (Sinteal).

Da Alagoas 24 horas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here