Trabalhadores prometem intensificar protestos na França

A central sindical francesa CGT — que reúne trabalhadores dos setores metroviário, de transporte, minas e energia e químico — disse no domingo (15) que pode duplicar os protestos contra o governo, a menos que este retire a proposta de “reforma” previdenciária dentro de uma semana.

O governo de Emmanuel Macon propõe que funcionários trabalhem dois anos extras para que recebam a aposentadoria integral. A proposta gerou protestos massivos no país, e metroviários em greve têm causado a paralisação parcial do transporte público e intermunicipal há 11 dias seguidos.

O primeiro-ministro, Edouard Philippe, afirmou ao jornal Le Parisien estar aberto a negociações e que se reuniria com os sindicatos nesta semana. Há novas manifestações previstas para a terça-feira (17).

Nos últimos dias, o governo está pressionando os trabalhadores para que suspendam a greve para as festas de final de ano. “Uma greve renovável que faz uma trégua não existe”, disse Laurent Brun, secretário-geral do CGT, ao jornal Le Monde. “Nosso movimento é apoiado por dois terços dos cidadãos”, completou.

Apesar da reunião que se aproxima, o governo mantém a sua determinação em realizar a “reforma” da aposentadoria chamada de “histórica” pelo presidente Emmanuel Macron. Ninguém parece acreditar em um acordo antes das festas de final de ano.

Com agências

Do Portal Vermelho

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

64  +    =  74

Botão Voltar ao topo