Unidade para a resistência democrática

24
0
SHARE

Mal foi divulgado o resultado da eleição presidencial e os intolerantes partiram para a ofensiva. Em Santa Catarina, uma deputada estadual recém-eleita incitou alunos a gravarem as aulas para denunciar professores que levem à sala de aula a reflexão sobre o resultado eleitoral. Ela faz apologia da Lei da Mordaça (Escola Sem Partido).

É uma demonstração de que o país entrou numa nova fase de ataque à liberdade, à democracia, à soberania, aos direitos sociais e trabalhistas. A resistência já começou, com várias entidades populares propondo a união de forças para enfrentar estes tempos difíceis. O expressivo apoio angariado pelo candidato que disputou o segundo turno representando os democratas, Fernando Haddad, com mais de 46 milhões de votos, é uma base para a ampliação do movimento em defesa da democracia e do respeito à Constituição.

É possível e necessária a formação de uma frente ampla democrática da sociedade, formada pelas entidades sindicais, movimentos sociais, personalidades e partidos comprometidos com a defesa da democracia, da soberania nacional, do respeito à Constituição, do desenvolvimento econômico com inclusão social, contra a discriminação e a intolerância.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino – Contee, que durante todo o processo eleitoral se posicionou e conclamou as entidades filiadas e a categoria a lutar pelo aprofundamento da democracia e das conquistas populares, reafirma, diante do resultado presidencial, seu compromisso com a liberdade e sua atuação em prol da unidade pela ampliação dos direitos dos brasileiros e da soberania nacional.

Abaixo o fascismo!

Viva a democracia!

Brasília, 31 de outubro de 2018

Diretoria Executiva da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino – Contee

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here