Coordenador-geral participa de solenidade de recomposição do FNE

Ato ocorre, nesta sexta-feira (17), às 17, na sede do MEC. Para Gilson Reis, trata-se da principal iniciativa a ser tomada, a fim de resgatar a educação brasileira

O coordenador-geral da Contee, Gilson Reis participa, nesta sexta-feira (17), às 17h, no MEC (Ministério da Educação), da solenidade de assinatura da recomposição do FNE (Fórum Nacional de Educação). O compromisso de reconstituir a composição legítima do FNE foi assumido pelo MEC dia 8 de fevereiro, em reunião da qual também participou Gilson.

A reivindicação das organizações nacionais defensoras da educação pública, gratuita e de qualidade socialmente referenciada é de que sejam reconduzidas ao órgão de Estado as entidades, entre as quais a Contee, que foram arbitrariamente expulsas em 2017 pelo governo golpista de Michel Temer (MDB), bem como as que se retiraram da instância em solidariedade às demais em protesto contra a destituição do fórum.

Na ocasião, a Contee denunciou a Portaria 577/17, que alterou a composição do FNE com o claro objetivo de favorecer a representação empresarial e a orientação neoliberal do governo golpista. A recomposição agora vem ao encontro de duas bandeiras muito atuais da Confederação.

Espaço democrático para debate

A primeira, pela qual a Contee vai seguir batalhando, é que o fórum seja o espaço privilegiado e democrático para debater e deliberar sobre nova proposta para a última etapa da educação, revogando os enormes prejuízos trazidos pelo NEM (Novo Ensino Médio).

A segunda, que inclusive vai ser um dos temas do seminário de formação da Contee em parceria com o CES (Centro Nacional de Estudos Sindicais e do Trabalho), é a regulamentação da educação privada.

Foi justamente por ser pioneira em defesa dessa bandeira, aliás, que a Contee foi destituída do FNE pelo governo Temer.

Revogação do NEM e regulamentação

A revogação do NEM e a rediscussão de temas como a regulamentação do ensino privado passam pelo debate no FNE, assim como outros assuntos espinhosos, como a BNCC (Base Nacional Comum Curricular), as escolas cívico-militares e o homeschooling.

Por isso, para o coordenador-geral da Contee, a recomposição do fórum é “a principal iniciativa a ser tomada pelo MEC neste momento, a fim de resgatar a educação brasileira”.

Táscia Souza

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

44  +    =  53

Botão Voltar ao topo