Desigualdade avança no Brasil, diz IBGE

Com as políticas desastrosas do governo Bolsonaro, a desigualdade cresce no Brasil e o rendimento mensal alcança a menor marca em 10 anos. Em 2021, a renda média mensal domiciliar caiu 6,9%, ficando em R$ 1.353,00. Por outro lado, o 1% da população brasileira com rendimento mais alto alcançou 38,4 vezes mais do que a média dos 50% com as menores remunerações.

O percentual de pessoas com alguma renda, de qualquer tipo, também teve redução. Saiu de 61% para 59,8%. Foi o que constatou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A renda do trabalho corresponde a 75,3%, enquanto que aposentadoria e pensões correspondem a 18,2%.

Como sempre, quem ganha menos foi mais prejudicada. Prova disso é que entre os 5% de menor renda, caiu 33,9% e entre os de 5% a 10%, a queda foi de 31,8%. Metade da população com menores rendimentos recebeu, em média, R$ 415,00.

A desigualdade avança em todo o país, mas principalmente nas regiões Norte e Nordeste, onde o número de beneficiários do auxílio emergencial alcançou a maior proporção de domicílios durante a pandemia de Covid-19. Esta parcela da população foi a mais afetada com as mudanças no programa.

CTB

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7  +  2  =  

Botão Voltar ao topo