SinproSP: Crise na Capes revela desmonte de órgãos de Estado no governo Bolsonaro

Silvia Barbara*

Depois da crise deflagrada no Inep, agora é a vez da Capes, com a renúncia de mais de 80 pesquisadores responsáveis pela avaliação de programas de pós-graduação nas áreas de Matemática, Física e Química. Um fato sem precedentes em seus 70 anos de existência, completados em 11 de julho de 2021.

A direção da Capes está sendo acusada de pressionar pela criação de parâmetros que facilitariam a abertura de cursos pós-graduação a distância, um negócio milionário de enorme interesse das instituições de ensino superior privado. Também foi denunciada por não se mexer para derrubar a liminar que suspendia, desde setembro, as avaliações dos programas de pós graduação.

A crise da vez é mais um desdobramento da condução desastrosa de Milton Ribeiro no Ministério da Educação. Desde a sua posse, o pastor tem contribuído para demolir as estruturas de Estado, ao escolher pessoas de capacidade técnica duvidosa para dirigir órgãos importantes.

A escolha da atual presidente da Capes, Cláudia Mansani Queda de Toledo, é um bom exemplo.  Ela e Milton Ribeiro se graduaram em Direito, no início dos anos 90, no Centro Universitário de Bauru*. Cláudia foi reitora dessa instituição, que pertence à sua família, até assumir a presidência da Capes.

Sua nomeação foi comemorada por entidades ligadas ao ensino privado. A Anup – Associação Nacional das Universidades Particulares (Anup) e outras entidades de educação privada divulgaram uma moção em que expressaram satisfação pela escolha, lembrando que ela vinha de uma instituição privada de ensino superior.

Capacidade duvidosa

A comemoração da Anup contrastou com a reação de diversas entidades ligadas à pesquisa e produção científica. A Anped – Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação e outras quatorze associações divulgaram uma carta em que revelam “perplexidade e constrangimento” pela nomeação de uma advogada que “não possui carreira acadêmica compatível”. (leia a carta da Anped aqui)

A Sociedade Brasileira de Física pediu que o Mec reconsiderasse a decisão: Uma análise de seu currículo disponível na Plataforma Lattes mostra que a indicada não possui as qualidades esperadas para o cargo. A Dra. Toledo obteve seu doutorado em 2012 pela Instituição Toledo de Ensino  (…) Consta no Curriculum Lattes que ela é atualmente a reitora desta instituição e que foi coordenadora de pós-graduação entre 1994 e 2000, ou seja, foi coordenadora de pós-graduação antes de ser doutora.” (leia a nota da SBF aqui)

Esse também foi o teor da nota publicada pela Sociedade Brasileira de Matemática: O currículo acadêmico da Dra. Cláudia Mansani Queda de Toledo não possui características adequadas ao cargo de máximo dirigente do país quanto à pós-graduação (…) a indicação recente e inesperada, jamais dialogada com os demais agentes do sistema, coloca em xeque um legado de mais de 60 anos de um delicado concerto de ações, pessoas e instituições que resultou em um modelo em que disputas políticas de menor expressão jamais lograram qualquer influência”. (leia a nota da SBM aqui)

Não é plágio, apenas cópia

Como se não bastasse, o jornalista Lauro Jardim revelou em abril, em seu blog no O Globo, que a dissertação de mestrado da dirigente da Capes possuía partes copiadas de outros trabalhos.

Em nota, a Capes negou o plágio mas admitiu a existência de trechos que reproduzem parágrafos já publicados. Das três partes citadas, duas foram retiradas da Wikipédia e a terceira consta de artigo de Rosita Saupe e Elioenai Dornelles Alves, publicado em 2000 na Revista Latino Americana de Enfermagem.

A crise na Capes é mais um exemplo, entre tantos outros, da política criminosa de instrumentalização ideológica e desmonte de órgãos de Estado ligados à educação e à pesquisa científica que tem marcado o governo Bolsonaro. O que serve de alento é a possibilidade desse pesadelo acabar em breve.

(1) Uma curiosidade: Andé Mendonça, o  “terrivelmente evangélico” que tomará posse no Supremo Tribunal Federal também formou-se em Direito no Centro Universitário de Bauru, deu aulas na Universidade Presbiteriana  Mackenzie, de onde Milton Ribeiro foi reitor e, assim como o ministro da educação, é pastor da igeja presbiteriana . 

*Silvia Barbara é professora e diretora do SinproSP

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4  +  3  =  

Botão Voltar ao topo