A pandemia do Coronavírus e seus impactos políticos e econômicos

853
0
COMPARTILHE
Foto: Getty Images

O mundo vive uma crise inédita com a pandemia do coronavírus, cujas consequências devem ser medidas não apenas em perdas de vidas humanas, mas também pelos efeitos econômicos e geopolíticos que deverão se estender para muito depois que a pandemia seja controlada.

O artigo destaca principalmente as previsões sobre os possíveis impactos sobre o crescimento econômico mundial em 2020 e procura explorar algumas das consequências imediatas da crise sobre a economia chinesa, brasileira e mundial e para as relações China-Estados Unidos, sem a pretensão de chegar a conclusões sobre o possível desfecho desse trágico acontecimento mundial, dado tratar-se de um processo ainda em fase inicial.

O mundo encontra-se mergulhado em um mar de incertezas quanto aos desdobramentos da pandemia do novo coronavírus – o Covid-19 – tanto no que diz respeito ao número de vidas humanas que poderão ser ceifadas, quanto aos seus efeitos sobre a economia e a geopolítica mundial.

Tendo sido detectado pela primeira vez na China, na cidade de Wuhan, em dezembro de 2019, o vírus chegou à Europa em fevereiro de 2020 e dali espalhou-se rapidamente pelo resto do mundo, tendo provocado até meados de março mais de 11.000 mortes, número que tende a crescer exponencialmente nas próximas semanas.

Os efeitos da pandemia, até o momento, não foram mais devastadores porque a China adotou desde o final de janeiro de 2020 duras medidas de isolamento para impedir que o vírus se espalhasse por todo o território chinês. A China de Wuhan, onde surgiram os primeiros casos, com uma população de 12 milhões de pessoas, e toda a província de Hubei, onde se localiza a cidade, com mais de 40 milhões de habitantes, foram e permacecem completamente isoladas do restante da China. Essas medidas reduziram em muito o impacto que a contaminação de uma população de 1,4 bilhão de pessoas poderia ter provocado. Também deram tempo para que outros países pudessem se preparar para o advento inevitável da doença, o que, infelizmente, não foi feito. Na Itália, por exemplo, com uma população 24 vezes menor que a chinesa, o número de mortes já supera o da China.

A Europa é, no momento, o epicentro de propagação da pandemia. Na China, graças às medidas tomadas, o registro de novos casos está se reduzindo drasticamente e aos poucos as cidades chinesas vão retornando à vida normal. No resto do mundo, entretanto, a situação é muito grave e tende a piorar ainda mais nas próximas semanas ou mesmo meses.

Afora os efeitos devastadores da pandemia sobre a população mundial, sobretudo nos países onde o sistema de saúde pública é precário, há outros impactos importantes que tendem a perdurar mesmo depois que a pandemia esteja sob controle.

Mesmo com a China retomando gradualmente a atividade econômica, todas as previsões indicam que o mundo pode mergulhar em uma nova recessão, em 2020, de proporções ainda maiores do que se viu na crise financeira de 2008. No Brasil, por exemplo, até poucas semanas falava-se em crescimento de 2,5% em 2020; agora há quem fale em recessão de até 3%.

A epidemia do coronavírus deixou de ser apenas um problema de saúde pública, para tornar-se o detonador de uma nova crise econômica e política internacional. Muito do que está ocorrendo no momento não tem relação direta com a pandemia. Ela foi apenas o gatilho para desencadear uma nova crise que estava sendo gestada há alguns anos.

A brutal queda nas bolsas de valores em todo o mundo, a fuga para ativos de menor risco e repentina escassez global de dólares são movimentos típicos do estouro de bolhas especulativas, tal como ocorreu em 2008. Que o estouro tenha sido provocado pela pandemia do coronavírus é circunstancial. Em algum momento a crise poderia estourar em razão de qualquer outro evento, na medida em que os especuladores passassem a realizar seus ganhos, como sempre ocorre nas crises financeiras provocadas por bolhas especulativas.

No plano geopolítico, a pandemia serviu como uma luva nas mãos dos Estados Unidos em sua estratégia de barrar a ascensão da China. Desde o início de 2018, os norte-americanos já vinham travando uma dura guerra comercial contra a China com o objetivo de forçar o país a abandonar seu projeto de tornar-se líder da Quarta Revolução Industrial.

Ao denominar o novo coronavírus de “vírus chinês” e culpar a China pela epidemia mundial, os Estados Unidos procuram isolar o país asiático e, com isso, conter sua crescente influência econômica e geopolítica no mundo.

Como outras pandemias, a do novo coronavírus em algum momento irá passar, mas os seus efeitos econômicos e geopolíticos deixarão marcas permanentes no mundo. O mundo que vai emergir dessa crise será outro em inúmeros aspectos.

As decisões que as pessoas e os governos irão tomar nas próximas semanas irão definir o mundo dos próximos anos. Eles irão formatar não apenas os sistemas de saúde, mas também nossa economia, política e cultura. Nós devemos agir rápida e decisivamente. Nós deveríamos levar em conta as consequências de longo prazo de nossas ações. Quando escolhermos entre alternativas, nós deveríamos perguntar para nós mesmos não apenas como superar a ameaça imediata, mas também que tipo de mundo iremos habitar quando a tempestade passar. Sim, a tempestade vai passar, a humanidade vai sobreviver, muitos de nós estaremos ainda vivos – mas vamos habitar em um mundo diferente (Harari, 2020).

Coronavírus: um teste de fogo para a China

Em seu longo caminho em busca do desenvolvimento, iniciado em 1949 sob a liderança de Mao Tsé-tung, a República Popular da China já enfrentou grandes desafios. Cometeu alguns erros graves – o Grande Salto Adiante (1959-1950) e a Revolução Cultural (1966-1976) –, mas teve, igualmente, enormes acertos, nomeadamente o processo de Reforma e Abertura, iniciado em 1978, por Deng Xiaoping, e que se estende até hoje, sob o comando de seus sucessores: Jiang Zemin, Hu Jintao e, agora, Xi Jinping.

Cada um teve, a seu tempo, que lidar com situações novas, algumas totalmente imprevistas – os chamados “cisnes negros” e os “rinocerontes cinzentos”, aos quais Xi Jinping referiu-se, em janeiro de 2019, em uma espécie de visão premonitória –, que obrigaram a China a rever sua estratégia de desenvolvimento inúmeras vezes. Diante da magnitude dos desafios ao longo desses mais de 70 anos, é difícil dizer qual foi o maior, embora nenhum chegue perto da que foi a mãe de todas as batalhas: a própria criação da República Popular da China.

É a partir dessa perspectiva de longo prazo que precisamos encarar o enorme desafio posto à China, ao Partido Comunista Chinês e à sua principal liderança, o presidente Xi Jinping, pela crise do novo coronavírus.

Como afirmou o presidente Xi à rede chinesa de televisão CCTV, em 23 de fevereiro, esta é “a maior emergência de saúde na China desde a fundação da República Popular da China, em 1949” (AFP, 2020).

Em encontro do Bureau Político do Comitê Central do Partido Comunista da China, realizado em 21 de fevereiro de 2020, o presidente Xi Jinping afirmou que, a despeito dos efeitos de curto-prazo da nova epidemia, as perspectivas de longo prazo para a economia chinesa permanecem inalteradas e enfatizou a três grandes prioridades do país: redução da pobreza, combate à poluição e prevenção de riscos financeiros. Na ocasião o presidente prometeu oferecer mais suporte financeiro para a economia real, especialmente companhias em setores chave e pequenas e médias empresas.  O encontro decidiu que os negócios seriamente afetados pela doença, como hotéis, restaurantes, estabelecimentos culturais e esportivos, transporte e turismo, serão ajudados com medidas específicas e que grandes companhias com negócios de exportação devem ser apoiadas para retomar a sua produção o mais rápido possível. Durante o encontro, também foram destacadas medidas para promover o emprego, garantir a subsistência de pessoas pobres, estabilizar o preço das mercadorias e ajudar aqueles que têm se sacrificado na batalha contra a doença (An Baije, 2020).

Pelo que a imprensa mundial tem noticiado, os efeitos de curto prazo da epidemia sobre a economia chinesa são graves. Segundo relatam Lulu Yulum e Jinsham Hong, da agência Bloomberg, de Hong Kong: “Um número crescente de empresas privadas na China reduziu e atrasou pagamento de salários ou deixou totalmente de pagar os funcionários, dizendo que o custo econômico do coronavírus as deixou incapazes de honrar as obrigações trabalhistas” (Yulum e Hong, 2020).

Kevin Yao e Cheng Leng, da agência Reuters de Pequim, também relatam que “segundo uma pesquisa recente das Universidades de Tsinghua e de Pequim, apenas 34% das quase mil pequenas e médias empresas consultadas avaliam que podem sobreviver por um mês com o fluxo de caixa atual. Um terço disse que podia aguentar por dois meses e 18% acreditavam ser capazes de se manter por três meses” (Yao e Cheng, 19/2/2020).

Reshama Kapadia, da Dow Jones, em Xangai, informa que levantamento da Câmara de Comércio Americana em Xangai entre empresas com operações em Xangai, Suzhou, Nanjing e na região do Delta do Rio Yangtzé mostra que 75% das empresas não têm pessoal suficiente para ativar uma linha de produção. Do total, 41% citaram falta de funcionários como o maior desafio da próxima quinzena ou mês. Cerca de 30% mencionaram problemas de logística. Segundo a mesma agência, a contratação de navios nos principais portos chineses caiu 20% desde 20 de janeiro, de acordo com a organização provedora de dados marítimos Alphaliner (Kapadia, 2020).

A Alphaliner prevê que o tráfego global de contêineres oceânicos deve se reduzir em aproximadamente 0,7% – o equivalente a cerca de 6 milhões de contêineres – ao longo do ano, em razão de paralisações de fábricas e outras restrições que afetam a produção econômica da China. Isso pode piorar se a epidemia continuar.

“Estamos vendo uma cadeia de eventos sem precedente na história recente. A China, a maior economia industrial do mundo, freou abruptamente. Mais de 60 milhões de chineses estão vivendo sob algum tipo de isolamento, com limitação para sair de casa. Países suspenderam quase todo o transporte de passageiros com a China, onde mais de dois terços dos aviões comerciais estão no chão. A entrada de visitantes no centro financeiro de Hong Kong caiu 99%, de 200 mil para 3 mil por dia. Cidadãos chineses estão proibidos de entrar em muitos países. As cadeias globais de produção estão sendo afetadas, e eventos e feiras, cancelados. A Olimpíada de Tóquio corre risco. É um nível de disrupção global não visto talvez desde a Segunda Guerra Mundial” (Saccomandi, 2020).

O setor imobiliário, um dos pilares do sistema econômico chinês, também sofreu forte abalo com a crise. Para Don Weiland e George Hammond, do Financial Times,

O surto de coronavírus está dando um duro golpe no mercado imobiliário da China de US$ 43 trilhões, com as incorporadoras fechando estandes de vendas e potenciais compradores adiando a busca por novas moradias. O impacto da crise no setor de construção civil, que segundo estimativas responde por 25% do PIB chinês, ameaça reduzir o crescimento do país para 4% no primeiro trimestre. Isso colocaria a taxa de crescimento para o ano todo em 3,9%, nível experimentado pela última vez em 1990 (Weiland e Hammond, 2020).

Para Zhang Jun, diretor da Faculdade de Economia da Fudan University, uma das mais prestigiadas da China:

Ainda é muito cedo para avaliar o impacto econômico total do surto de coronavírus. No entanto, o principal fator não será o alcance ou gravidade da epidemia, e sim sua duração. Quanto antes a epidemia terminar, mais rapidamente a economia da China vai se recuperar, em razão de sua tendência de crescimento. As medidas de controle rígidas vão enfraquecer o atual desempenho econômico, mas elas poderão ajudar a acabar mais cedo com o surto (Zhang, 2020).

Zhang mantém, entretanto, uma visão otimista. Para ele, desde que não haja mais choques externos, a continuidade do afrouxamento da política monetária deverá limitar a queda do crescimento do PIB no ano a 0,5-1 ponto percentual. Isso implicaria uma expansão econômica de 5% a 5,5% em 2020, o que ainda está em ampla sintonia com a atual tendência de crescimento da China (Zhang, 2020).

A produção industrial da China caiu 13,5% no período janeiro/fevereiro de 2020 frente a igual período de 2019, queda mais acentuada que a registrada durante a crise financeira de 2008. Dos 41 maiores setores industriais, 39 tiveram contração: petróleo e gás e tabaco foram as únicas exceções. Combinado com a queda de 13% do setor de serviços em janeiro/fevereiro, os dados sugerem que o PIB chinês caiu 13% nos dois primeiros meses do ano. Outros dados divulgados mostraram quedas recordes. As vendas no varejo caíram 20,5% ao ano em janeiro/fevereiro, com os consumidores evitando lugares movimentados, como shoppings e restaurantes.

O investimento em ativo fixo – uma medida do setor de construção – recuou para 24,5% ao ano. A construção de imóveis caiu 44,9% nos meses de janeiro e fevereiro. As vendas de imóveis residenciais encolheram 34,7%, enquanto o investimento no setor de imóveis diminuiu 16,3% (Taplin, 2020).

De acordo com Zhu Min, diretor do Instituto de Pesquisa Financeira da Universidade de Tsinghua e ex-vice-diretor do FMI, a expectativa é que a epidemia irá cortar 1,2% da taxa anual de crescimento da China devido ao agudo declínio do consumo nos dois primeiros meses do ano (China Daily, 20/3/2020).

Apesar desses números negativos relativos ao primeiro trimestre de 2020, a expectativa é que o crescimento econômico seja recuperado em breve. O governo chinês está tomando uma série de medidas para ajudar as empresas a retomar a produção e trazer os trabalhadores migrantes de volta para seus postos de trabalho.

Segundo informa Chen Si, do China Daily, o Ministério dos Recursos Humanos e Seguridade Social ajudou a recrutar 370.000 trabalhadores para 9.138 empresas dedicadas à produção de suprimentos médicos. O ministério também está envolvido no transporte de 4,1 milhões de trabalhadores migrantes por meio de trens, aviões e ônibus fretados. De acordo com o vice-ministro Li Zhong, cerca de 100 milhões de trabalhadores migrantes já retornaram para as cidades e retomaram seus postos de trabalho, o que representa cerca de 80% dos trabalhadores que tinham ido para suas casas para as celebrações do Ano Novo Chinês na última semana de janeiro.

O ministério está organizando feiras de emprego on-line para ajudar as empresas a suprir a falta de mão-de-obra e pagando para as empresas organizarem cursos de treinamento on-line. Também vai organizar cursos de capacitação entre março e junho para mais de 100 profissões para ajudar as empresas a retomar as atividades. O objetivo é atrair 5 milhões de pessoas para esses treinamentos. (Cheng Si, 2020).

A fase mais aguda da epidemia aparentemente foi superada em meados de março e, aos poucos, as atividades econômicas voltam à normalidade. A Apple reabriu, em 14 de março, todas as lojas na China continental (Dowell e Mickle, 2020). A Starbucks também informou, em 27 de fevereiro, que 85% de suas lojas na China já estavam funcionando normalmente (Patton, 2020).

O que se observa, portanto, é que o governo da República Popular da China está sendo bastante efetivo e eficiente no esforço de conter o avanço do vírus em todo o território chinês. Como afirma Cao (2020): “A abordagem adotada pela China baseada no envolvimento de todo o governo e toda a sociedade no combate ao Covid-19 recebeu aclamação internacional e se mostrou efetiva e eficiente para conter a disseminação do vírus”. Para o autor, tal sucesso se deve em grande parte ao fato de o Presidente Xi Jinping, que é também o secretário-geral do Partido Comunista da China, ter agido como o comandante-em-chefe dessa guerra do povo chinês contra a epidemia.

Coronavírus: consequências globais

Enquanto a China vai acumulando forças para vencer mais este obstáculo em sua longa marcha para o desenvolvimento, os efeitos da crise provocada pelo novo coronavírus vão se fazendo sentir mundo afora. Segundo Barry Eichengreen, da Universidade da Califórnia, “já não se trata de discutir se o mundo entrará ou não em um período de recessão. A questão, agora, é saber o quão profunda ela será e quanto tempo vai durar” (Rydlewski, 2020).

É muito difícil, neste momento, prever a real dimensão da crise, mas há um certo consenso entre os analistas de que dependerá muito mais da duração do que da intensidade da pandemia. No caso da China, por exemplo, ao que tudo indica, a fase aguda da epidemia já foi superada e a atividade econômica começa a ser retomada. No resto do mundo a crise está apenas no início e ninguém sabe dizer se sua duração seguira o mesmo padrão da China, de aproximadamente três meses. Mesmo considerando que, no resto do mundo, o mesmo padrão se repita, isso significa que, no mínimo, metade do ano já terá sido perdida. Nessas circunstâncias, falar em crescimento zero, em 2020, chega a ser uma previsão otimista.

Essa hipótese, entretanto, parece ser excessivamente otimista, uma vez que pelo que se viu até agora nos países que já foram mais duramente atingidos pela pandemia, como a Itália e outros países europeus e, nas últimas duas semanas, os Estados Unidos, a resposta dos governos ocidentais está muito aquém da que foi dada pela China.

É preciso lembrar que logo que a província de Hubei e particularmente a cidade de Wuhan foram atingidas pela epidemia, o governo central da China, além de isolar imediatamente a província do resto do país, recrutou e despachou para Wuhan 340 equipes médicas compostas por 42.000 profissionais de saúde, incluídos 4.000 profissionais de saúde do exército chinês, o Exército de Libertação do Povo. Todas as grandes corporações chinesas, nomeadamente as mais de 20.000 empresas estatais contribuíram com a logística de contenção. Com a colaboração de outras províncias, dois hospitais pré-fabricados com mais de 1.000 leitos cada um foram construídos em Wuhan em cerca de 10 dias. Dezesseis hospitais temporários foram estabelecidos nos pavilhões de exposições e nos ginásios esportivos na cidade de Wuhan. Dezenove províncias da China estabeleceram parceiras com dezesseis cidades de Hubei, para ajudá-las com recursos médicos (Cao, 2020). Desnecessário dizer nada minimamente próximo a isso está sendo feito por qualquer país do mundo, mesmo os mais ricos, na Europa e nos Estados Unidos.

É necessário destacar ainda que toda a economia mundial desde o último quarto do século XX tem sido organizada com base na conectividade, nas cadeias globais de valor e de suprimento e na integração.  “Essa é a armadilha dos dias correntes. Para sobreviver é preciso desmontar um sistema que ganha eficácia por meio da conexão, abrindo o caminho para a recessão em vários países” (Rydlewski, 2020).

O isolamento, uma arma crucial para retardar a propagação do vírus, provoca ainda dois choques na economia global. Por um lado, interrompe a oferta à medida em que as fábricas não conseguem produzir, quer por falta de componentes oriundos da China, quer pela ausência de mão de obra, retida em quarentenas. Por outra via, ataca a demanda, uma vez que os consumidores mesmo quando podem, não circulam para comprar, viajar ou ir a espetáculos (Rydlewski, 2020).

A questão posta no momento não é apenas a de salvar vidas, mas também como preservar as empresas e os empregos. Judie Sunderland, ex-diretora do Fundo Estratégico de Investimento, da Fundação Gates, afirmou, em artigo para o site Project Sindicate, que“O surto de Sars na China em 2002 e 2003 (também um coronavírus) infectou 8 mil pessoas e causou menos de 800 mortes. Ainda assim, resultou em prejuízos estimados em US$ 40 bilhões em perda de atividade econômica” (Sunderland, 2020).

Embora o número de mortes provocadas pelo novo coronavírus possa vir a ser, segundo algumas avaliações mais pessimistas, mais de mil vezes superior, o que sem dúvida representaria uma catástrofe mundial, ainda assim seria algo em torno de 0.01% da população do planeta. A questão é que os efeitos econômicos, medidos em termos de falências de empresas, desemprego, aumento da miséria pode vir a afetar bilhões de pessoas em todo o mundo.

Apple foi a primeira grande companhia norte-americana a dizer que não vai alcançar suas metas de faturamento para o atual quadrimestre devido à epidemia do coronavírus na China, a qual tanto limitou a produção do iPhone quanto reduziu a demanda pelo produto na China. A dupla dependência da empresa em relação à manufatura chinesa e ao setor de consumo da China tornou-a ainda mais vulnerável à crise.

O anúncio da Apple é o mais proeminente exemplo até agora dos amplos efeitos de reverberação do coronavírus nos negócios e mercados globais, afetando as vendas de smarphones e os preços das commodities e atrasando a produção através das indústrias. As dificuldades estão se estendendo pelas cadeias de suprimento ao redor do mundo na medida que as linhas de produção da Ásia até a Europa dependem do rápido movimento dos componentes para suas plantas industriais (Mickle, 2020).

E embora o caso da Apple seja o mais comentado, não é o único. Grandes empresas americanas e europeias, como a Volkswagen AG, a Fiat Chrysler Automobiles, a Estée Lauder Cos, a Capri Holdings, dona das marcas Versace e Jimmy Choo, estão sendo afetadas pela paralisação das linhas de produção na China ou por problemas de transporte e logística (Mickle, 2020).

Airbus SE fechou uma fábrica na China que responde por quase 10% da produção de seu jato mais popular, por receio de que a epidemia afete as indústrias globais. A Hyundai Motor também esvaziou todas as suas sete plantas na Coréia do Sul por falta de componentes de fornecedores da China. É o primeiro grande fabricante de automóveis no mundo a interromper a produção fora da China por conta de gargalos de suprimento e limitações para movimentação de trabalhadores no país (Kats e Jun, 2020).

Todas as previsões feitas por consultorias e bancos apontam para a possibilidade de a economia mundial enfrentar uma nova recessão em 2020 mais aguda do que a verificada em 2008.

O banco de investimentos JP Morgan prevê uma contração de 4% para a economia dos Estados Unidos no primeiro trimestre e uma queda ainda maior, de 14%, no segundo trimestre. Para 2020, o banco estima agora uma contração de 1,5%. Economistas do Goldman Sachs rebaixaram suas projeções de crescimento para a América Latina pela segunda vez desde o início do ano. A previsão para o PIB da região para este ano passou de um crescimento estimado em 1,1% em março para uma contração de 1,2%. A projeção de crescimento do Brasil foi revisada de uma expansão de 2,2% em janeiro para 1,5% em março, deve agora passar para uma contração de 0,9% neste ano, segundo relatório do Goldman Sachs. A projeção para a Argentina passou de uma contração de 1% em janeiro para uma queda do PIB de 2,5% (Valor, 19/3/2020).

Politização da crise

No início de 2018, os Estados Unidos iniciaram uma violenta guerra comercial contra a China. Os interesses e atores por trás desse ataque são vários. O presidente Donald Trump alega que o seu objetivo é trazer de volta para os Estados Unidos as empresas e os empregos que teriam ido para a China, de olho nas eleições de outubro próximo.

O complexo militar-armamentista norte-americano vê no conflito a oportunidade de conter a modernização militar da China e expandir o orçamento militar dos Estados Unidos, que alimenta sua poderosa indústria bélica. A elite financeira de Wall Street vê no conflito uma forma de impedir que a China assuma o protagonismo da chamada “Quarta Revolução Industrial” e coloque em risco a supremacia econômica dos Estados Unidos. Nessa guerra recorre-se a todas as armas e expedientes que estejam à mão. “A história mostra que pandemias geram um ambiente fértil para a adoção de medidas protecionistas” (Braga, 2020).

Durante reunião do Comitê de Facilitação de Comércio da OMC o governo chinês pediu aos países obediência às regras internacionais e respeito à autoridade e ao conselho profissional da OMC e a não imposição de restrições comerciais desnecessárias, que atendem mais a interesses políticos do que à real necessidade de combater a expansão mundial da doença (Moreira, 2020a).

Não é de estranhar, portanto, que o país onde a crise do coronavírus assumiu contornos mais políticos foram os Estados Unidos. Desde que Trump tomou posse, em 2016, os Estados Unidos vêm atuando em todas as esferas – comercial, econômica, política, militar, científica, cultural – para apresentar a China como uma ameaça ao Ocidente – na verdade uma ameaça ao projeto de fazer do século XXI mais um “século americano”.

Em janeiro de 2019, Estados Unidos e China estabeleceram, por meio de um acordo parcial, uma trégua na guerra comercial, mas o conflito entre os dois países está longe de acabar, mesmo porque, vai muito além do déficit comercial.  Em dezembro de 2018, o governo norte-americano fez o pedido de prisão de uma executiva da empresa chinesa Huawei, maior fornecedora mundial de equipamentos de telecomunicações com base na tecnologia 5G, acusando a empresa de mentir ao banco HSBC sobre a relação entre a Huawei e a Skycom, uma subsidiária que vendeu equipamentos de telecomunicações para o Irã, o que teria exposto o banco ao risco de violar as sanções americanas contra Teerã.

Desde então os Estados Unidos vêm pressionando seus aliados a barrarem a atuação da Huawei em seus respectivos países, alegando que, por suas ligações com o governo chinês, os equipamentos vendidos pela empresa poderiam ser utilizados para espionagem.

A irrupção da crise do coronavírus na China acabou se apresentando, assim, como uma oportunidade para os norte-americanos. Ao mesmo tempo em que se “solidarizaram” com o povo chinês, fazendo promessas de ajuda que nunca foram efetivadas, aproveitaram para criticar o governo, tentando jogar a responsabilidade da crise sobre o Partido Comunista Chinês no poder.

Os EUA foram o primeiro país a proibir a entrada de viajantes chineses e o primeiro a sugerir a retirada parcial de seu pessoal da embaixada, o que gerou críticas por parte de Pequim, que acusou os norte-americanos de estarem propositadamente causando pânico com as medidas restritivas que o país adotou. Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, disse que as ações de Washington “só criam e espalham o medo”, em vez de oferecer assistência aos chineses (Moreira, 2020b).

No dia 03/02/2020, o conservador Wall Street Journal colocou em um artigo assinado por um articulista do jornal, o provocativo título de “A China é o verdadeiro homem doente da Ásia”, em uma alusão irônica ao período em que a China esteve submetida ao domínio das grandes potências ocidentais, entre meados do século do XIX e 1949, em decorrência das derrotas nas Guerras do Ópio (1840 e 1856).  Ao lado do referido artigo, publicou, no site do jornal, um vídeo de opinião intitulado “Um coronavírus comunista”.

Em uma atitude criticada por toda a comunidade internacional, o próprio presidente Trump passou a adotar uma atitude preconceituosa em relação à China, referindo-se ao Covid-19, como o “vírus chinês”. “Autoridades e comentaristas de todo o mundo usaram palavras como “racista” e “xenofóbico” para descrever o termo e disseram que isso é parte da tentativa de Washington de jogar a culpa na China pela resposta atrasada e inefetiva de Trump à nova pandemia do coronavírus” (Zhang, 2020).

No Brasil, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, presidente comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados e, ao lado do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, um admirador incondicional do presidente e da extrema-direita norte-americana, resolveu se associar às críticas de Trump e colocou nas redes sociais uma mensagem culpando governo chinês pela pandemia mundial. No mesmo dia, a Embaixada da China no Brasil reagiu de forma dura, exigindo um pedido formal de desculpas por parte do deputado. Para complicar as coisas, o ministro das Relações Exteriores saiu em defesa do deputado, filho do presidente, exigindo que o embaixador chinês pedisse desculpas por supostas ofensas ao presidente Bolsonaro. O presidente brasileiro, preocupado com as possíveis consequências para sua principal base de apoio político, o setor do agronegócio, que tem na China seu principal cliente, procurou minimizar o incidente, dizendo que “Isso tudo é página virada, não existe problema com a China” (Bitencourt e Murakawa, 2020). No dia seguinte, tentou falar pessoalmente com o presidente chinês para apaziguar a situação, mas este se negou atendê-lo (Fernandes, 2020). Está assim criado mais um incidente diplomático entre o Brasil e a China, cujas consequências não é possível prever no momento.

O Brasil no olho do furacão

As medidas de isolamento social que estão sendo adotadas para evitar a propagação do vírus somadas à falta de insumos em inúmeras indústrias vão inevitavelmente provocar um choque adverso sobre a economia brasileira, tanto no lado da demanda, quanto no lado da oferta. A sua profundidade dependerá, sobretudo, da duração da crise.  O próprio governo acaba de divulgar uma revisão da previsão oficial de crescimento do PIB, em 2020, de 2,1% para 0,2%. As previsões do mercado são mais pessimistas. O Banco Itaú indica uma redução do PIB de 0,7%; para o ASA Bank a economia brasileira vai encolher 3%; o Goldman Sachs prevê um encolhimento do PIB de 0,9% e o BNP Paribas, uma queda de 1% (Valor, 20/3/2020).

A Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) afirma que 57% das empresas associadas já apresentam problemas no recebimento de materiais, componentes e insumos provenientes da China, por conta do surto do coronavírus no país asiático (Narciso, 2020). “O minério de ferro, um dos principais produtos da balança comercial brasileira, voltou a ser negociado a US$ 80 a tonelada, a menor cotação em um ano. A perda acumulada em 2020 já é de 13%” (Fontes e Moreira, 2020).

O setor de geração de energia solar, que vem se expandindo fortemente nos últimos anos, também enfrentará incertezas, uma vez que o setor é altamente dependente da importação de equipamentos da China (Fucuchima, 2020).

Todo o comércio bilateral Brasil-China tende a ser afetado no curto prazo. A China é o maior país importador de carnes do Brasil.

Em janeiro, [a China] respondeu por mais de 40% da carne bovina exportada pelos brasileiros, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec). No caso das carnes de frango e suína, os chineses absorvem 20% e 45% das exportações, respectivamente, de acordo com dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) (Mendes, Zaia e Walendorff, 2020).

O setor do petróleo pode ser duplamente afetado, tanto pela pandemia do coronavírus quanto pela queda brusca de preço, provocada pela decisão de Rússia e Arábia Saudita de ampliar a produção.

O país asiático absorve, ao todo, 17% de toda a produção de óleo e 72% das exportações da petroleira. Segundo dois especialistas consultados pelo Valor, o principal impacto para a estatal brasileira, nos próximos meses, será lidar com um ambiente mais restrito às vendas e com uma potencial queda dos preços do barril, num momento em que a empresa busca clientes para os volumes crescentes do pré-sal (Ramalho, 2020).

O Brasil pode vir a ser afetado pela crise por pelo menos três canais. O primeiro é o impacto direto da pandemia sobre a economia local. O setor de serviços responde por 75,8% do PIB brasileiro. Restaurantes, bares, academias, hotéis, escolas, estádios, aeroportos e shopping centers vazios terão um impacto expressivo sobre a renda e o emprego, uma vez que afetam a principal via de crescimento da economia brasileira nos últimos anos, que é o consumo.

O segundo canal é a própria China, que é o nosso principal parceiro comercial e destino da maior parte das exportações do setor mais dinâmico da economia nacional na atualidade que é o agronegócio. A indústria nacional, depois de anos de encolhimento de sua cadeia de valor, depende fortemente da importação de insumos da China para funcionar.

O terceiro canal são os efeitos que a crise pode provocar na economia mundial como um todo. Até o momento os chineses garantem que o impacto da doença no crescimento da China em 2020 será pequeno, na ordem de 0,5 a 1%, o que é uma boa notícia para o Brasil e o mundo, mas, a considerar as previsões mais recentes sobre os impactos da crise em nível global, uma recessão mundial é dada como inevitável.

O governo brasileiro, depois de se dar conta tardiamente da gravidade da crise, anunciou algumas medidas para tentar aliviar a situação e evitar uma enxurrada de demissões na indústria e nos serviços. Editou uma Medida Provisória para regulamentar a suspensão temporária dos contratos de trabalho, deferiu por 180 dias o recebimento do Simples e prometeu dar R$ 200 de ajuda para os trabalhadores informais e desempregados, os mais afetados pela crise. Também decretou o estado de calamidade, o que dispensa o governo de alcançar a meta de resultado primário, mas insiste em manter o teto de gastos, alegando que não há espaço fiscal nas contas públicas para liberar dinheiro para a população como está sendo feito nos Estados Unidos (Otta, Simão e Ribeiro, 2020). Esta fixação no equilíbrio fiscal em um momento tão grave é absurda. É como se com um avião em queda alguém se recusasse a abrir o paraquedas porque vai dar muito trabalho para enrolá-lo de novo. Empresários e economistas, inclusive do campo liberal e conservador, vêm clamando por medidas mais ousadas do governo que, pelo menos até agora, permanece surdo a esses clamores e cego às evidências, aferrado aos dogmas neoliberais que os demais países, nomeadamente os Estados Unidos, já abandonaram faz tempo.

Referências

AFP. Coronavírus é maior emergência de saúde da China desde 1949, afirma Xi Jinping. UOL, 23/2/2020. Disponível em https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2020/02/23/coronavirus-e-maior-emergencia-de-saude-da-china-desde-1949-afirma-xi-jinping.htm?cmpid=copiaecola. Consultado em 20/03/2019.

An Baije, Path of virus preliminarily contained. China Daily, 22/02/2020.

Bitencourt, R. e Murakawa, F. Bolsonaro fala em “página virada” e que problema com a China “não existe”. Valor, 20/3/2020.

Braga, C. P. Alavancando o medo. Valor, 14/2/2020.

Cheng Si, Govt helping migrants back to workplaces. China Daily, 20/03/2020, p.5.

China Daily, Exports back on track. Govt unveils policies to help firms resume production, target markets. China Daily, 20/3/2020, p.13.

Cao, D. Nation shows strength in pandemic battle. China Daily, Hong Kong, Weekend Edition, 21-23/3/2020, p.1.

Dowell, A. e Mickle, T. Apple closes all its stores outside China over coronavirus. Wall Street Journal, 14/3/2020.

Fernandes, M. C. Bolsonaro tenta contato, mas Xi Jinping se recusou a atende-lo. Valor, 20/3/2020.

Fontes, S. e Moreira, A. Commodities caem sob temores com epidemia. Valor, 04/2/2020.

Fucuchima, L. Coronavírus ameaça atrasar expansão da geração solar no país. Valor, 10/2/2020.

Isto É Dinheiro. Mais de 11.000 mortos por coronavírus no mundo (balanço da AFP). Isto É Dinheiro. Edição 1163, 20/03/2020. Disponível em https://www.istoedinheiro.com.br/mais-de-11-000-mortos-por-coronavirus-no-mundo-balanco-da-afp/). Consultado em 20/03/2020.

Harari, Y. N. The World After Coronavirus. Financial Times, 21/3/2020.

Kapadia, R. Produção na China segue prejudicada. Valor, 19/2/2020.

Katz, B. e Jun, K. Viral outbreak squeezes manufacturers.  Wall Street Journal, 06/2/2020.

Mendes, L. H., Zaia, C. e Walendorff, R. Coronavírus prejudica exportação de carne à China. Valor, 10/2/2020.

Mickle, P. Apple warns coronavirus to hit sales. Wall Street Journal, 18/2/2020.

Moreira, A. Pequim pede na OMC fim de exagero. Valor, 12/2/2020(a).

Moreira, A. Epidemia vira embate político entre EUA e China. Valor, 04/2/2020 (b)

Narciso, B. Coronavírus afeta 60% da indústria de eletroeletrônicos do Brasil, diz entidade. Folha de S. Paulo, 21/2/2020.

O Globo. Todas as opções estão na mesa diz China a Trump sobre expulsão dos jornalistas. O Globo, 18/3/2020.

Otta, L. A., Simão, E. e Ribeiro, M. Governo não vai atender pleito de aportes de R$ 15 bi aos Estados. Valor, 20/3/2020.

Patton, L. Starbucks says 85% of China’s now open, sees virus impact waning. Bloomberg, 27/2/2020. Disponível em: https://www.bloomberg.com/news/articles/2020-02-27/starbucks-says-viral-impact-waning-85-of-china-stores-now-open. Consultado em 22/03/2020.

Ramalho, A. Efeito do coronavírus sobre a economia da China afeta Petrobrás, Valor, 03/3/2020.

Rydlewski, C. Coronavírus abre caminho para a recessão mundial. Valor, 23/3/2020.

Saccomandi, H. Epidemia trará freada global sincronizada. Valor, 21/2/2020.

Sunderland, J. Pandemias de pânico. Valor, 11/02/2020.

Taplin, N. Dados mostram colapso da economia chinesa e indicam PIB negativo. Valor, 17/03/2020.

Valor Econômico, Projeções já indicam fortes quedas no PIB pelo mundo, Valor, 19/3/2020

Valor Econômico, Previsões do mercado indicam queda de até 3% no PIB brasileiro em 2020. Valor, 20/3/2020.

Weiland, D. e Hammond, G. Epidemia paralisa o setor de construção civil da China. Valor, 07/2/2020.

Yao, K. e Cheng, L. Pequim tenta conter desemprego com incentivos e créditos a empresas. Valor, 19/02/2020.

Yilun, L. e Hong. J. Empresas Chinesas relatam dificuldades de pagar salário. Valor, 20/2/2020.

Zhang, J., Coronavírus não abate a China. Valor, 13/2/2020.

Zhang, Y., Trump’s slur against China earns global censure. China Daily, 21/2/2020, p.1.


[1] Luís Antonio Paulino é professor associado da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Email: luis.paulino@unesp.br

Bonifácio

COMPARTILHE

RESPONDER PARA:

POR FAVOR ENTRE COM SEU COMENTÁRIO!
POR FAVOR ENTRE COM SEU NOME