Nota contra o golpe de Estado na Bolívia

233
0
SHARE

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino — Contee condena o golpe de Estado deflagrado neste domingo, 10 de novembro de 2019, contra o presidente da Bolívia, Evo Morales, eleito legitimamente pelo povo boliviano. Em 14 anos o governo Evo instaurou um período de estabilidade política, crescimento econômico, extermínio da pobreza e melhora de vários indicadores socioeconômico, multiplicando em oito o Produto Interno Bruto (PIB) do país.

O golpe é mais um capítulo na ofensiva do imperialismo estadunidense na América Latina, apoiado por uma elite que não aceita a soberania popular. Tal ataque ocorre no contexto de avanço do neoliberalismo e da onda de restauração conservadora, encontrando eco e apoio em governos governos obscurantistas, subservientes e tiranos, como o atual governo brasileiro.

Evo Morales foi forçado a renunciar à presidência da Bolívia mesmo depois de ter proposto a realização de novas eleições. As forças golpistas, portanto, sabem que o resultado das urnas, com a reeleição de Morales no primeiro turno, foi legítimo e por isso apelam para a tomada de poder por vias autoritárias.

A história da América Latina, coberta de sangue, é repleta de episódios sobre violações de direitos políticos, sociais e humanos cometidas como consequências diretas de golpes militares. Aceitar mais este é inadmissível e é essencial que as entidades e movimentos democráticos e progressistas do continente se unam em solidariedade e defesa da soberania da sociedade boliviana, bem como de todo o povo latino-americano.

Todo nosso repúdio ao golpe de Estado e apoio aos nossos irmãos e irmãs da Bolívia. A realidade que vivemos no Brasil hoje é prova cabal de que a luta contra o imperialismo e em defesa do Estado Democrático de Direito também é nossa.

Brasília, 10 de novembro de 2019.

Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino — Contee

RESPONDER PARA:

POR FAVOR ENTRE COM SEU COMENTÁRIO!
POR FAVOR ENTRE COM SEU NOME