BC mantém maior arrocho monetário desde 2017 e asfixia produção e consumo

Brasil continua campeão mundial de juros reais com a Selic a 13,75%, enquanto inflação segue nas alturas

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu nesta quarta-feira (26) manter a taxa básica de juros da economia (Selic) no atual nível elevado de 13,75% ao ano, no maior arrocho monetário desde 2017, com o Brasil no topo do ranking mundial de juros reais.

De acordo com a MoneYou e Infinity Asset Management, descontada a inflação projetada para os próximos 12 meses, o Brasil paga 7,80% em taxas de juros reais, o bastante para manter o país na liderança mundial de juros reais.

Foram 12 altas seguidas desde março do ano passado, quando em agosto atingiu o atual patamar. Mas o BC já sinalizou que o aperto monetário continua até junho do ano que vem, prejudicando o setor produtivo, encarecendo o crédito, reduzindo o consumo e elevando o endividamento das famílias com os bancos. Por outro lado, a inflação continua em patamares elevados, corroendo a renda dos brasileiros, com os preços dos alimentos bem acima da inflação oficial.

Segundo a prévia da inflação de outubro (IPCA-15), após dois meses de “deflação fake” de Bolsonaro, com as medidas eleitores às vésperas das eleições, os preços voltaram a subir.

E a economia segue patinando.

O Índice de Atividade Econômica (IBC-BR) do BC registrou que a economia brasileira recuou 1,13% em agosto, na comparação com julho deste ano. Outra prévia do PIB, apurada pela Fundação Getulio Vargas (FGV), aponta queda de 0,8% para o mesmo período. O BC e a FGV calculam dados da atividade econômica brasileira mensalmente sob óticas diferentes, mas já antecipam um estrato do que poderá ser divulgado oficialmente pelo IBGE no próximo período.

O setor produtivo brasileiro demonstra uma economia estagnada mesmo com o festival de medidas artificiais criadas pelo governo Bolsonaro ao longo do ano com o objetivo de promover a sua reeleição. Na passagem de julho para agosto, segundo o IBGE, a produção industrial registrou queda de 0,6%. Por sua vez, as vendas do comércio varejista na sua modalidade ampliada recuaram -0,6%. Já o volume de serviços prestados no Brasil ficou pouco acima de zero (0,7%).

A política de juros altos neutraliza qualquer política de estímulo ao consumo. De acordo com o Monitor do PIB da  FGV, o consumo das famílias retraiu 0,5% em agosto. Não é à toa, frente a um ambiente de inflação dos alimentos e desvalorização dos salários, as famílias brasileiras estão se endividando para sobreviver.

Em setembro, 64,25 milhões de pessoas estavam negativadas – sem dinheiro para pagar suas dívidas e contas básicas – o maior número já registrado pela pesquisa mensal de inadimplência da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL). Mais de 6 milhões de empresas, na grande maioria, pequenas e médias, também estão inadimplentes, sufocadas pelos juros altos.

“Teremos um Natal pior do que o do ano passado”, alerta o economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Fábio Bentes. “O quarto trimestre deverá ser o ápice da desaceleração da economia”, avaliou Bentes, afirmando que as perspectivas para o varejo no final do ano não são boas, apesar da Copa do Mundo – evento que estimula a venda de televisores.

Com os juros em patamares proibitivos, as empresas deixam de investir, o que agrava o quadro de desemprego no país, que hoje atinge mais de  9,7 milhões de brasileiros, enquanto outros 39,3 milhões estão na informalidade do trabalho, sobrevivendo dos famosos “bicos”.

Hora do Povo

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9  +    =  16

Botão Voltar ao topo