Trabalhadores das escolas católicas também vão aderir à Greve Geral

41
0
SHARE

Que reforma é essa? A pergunta-tema da campanha nacional lançada pela sociedade civil para desmascarar as mentiras e denunciar os danos da reforma da Previdência proposta pelo governo Bolsonaro também é o cerne do posicionamento da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). E, a poucos dias da Greve Geral da próxima sexta-feira, 14 de junho, isso ganha especial relevância na base da Contee, uma vez que boa parte dos trabalhadores em educação do setor privado atuam em instituições de ensino confessionais ligadas à Igreja Católica.

A CNBB já havia divulgado, no fim de março, uma nota pública afirmando que “Dentre nossas atuais preocupações, destaca-se a reforma da Previdência — PEC 06/2019 — apresentada pelo Governo para debate e aprovação no Congresso Nacional. Reafirmamos que ‘o sistema da Previdência Social possui uma intrínseca matriz ética. Ele é criado para a proteção social de pessoas que, por vários motivos, ficam expostas à vulnerabilidade social (idade, enfermidades, acidentes, maternidade…), particularmente as mais pobres. Nenhuma solução para equilibrar um possível déficit pode prescindir de valores ético-sociais e solidários’”. O documento diz ainda: “Reconhecemos que o sistema da Previdência precisa ser avaliado e, se necessário, adequado à Seguridade Social. Alertamos, no entanto, que as mudanças contidas na PEC 06/2019 sacrificam os mais pobres, penalizam as mulheres e os trabalhadores rurais, punem as pessoas com deficiência e geram desânimo quanto à seguridade social, sobretudo, nos desempregados e nas gerações mais jovens.”

A nota foi assinada pelo então presidente da CNBB, Dom Cardeal Sergio da Rocha, que deixou o cargo no último mês. Mas seu sucessor e novo presidente da entidade, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, alinhado ao Papa Francisco segue a mesma linha e já se manifestou publicamente contra os cortes nas universidades, contra liberação de armas e contra as medidas, como a reforma da Previdência, que prejudicam os mais pobres. Vale lembrar que Dom Walmor é arcebispo de Belo Horizonte e que seu bispo auxiliar, Dom Joaquim Giovani Mol Guimarães, é também reitor da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), uma das maiores instituições de ensino superior confessionais do país.

Diante disso, a Contee reforça a convocação dos professores e técnicos administrativos que atuam na educação privada em todo o país — inclusive das escolas confessionais católicas — a aderir à Greve Geral da classe trabalhadora no próximo dia 14. Nossa aula será nas ruas, em defesa do direito à aposentadoria e da educação!

Por Táscia Souza

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here