As lições do caso em que professora sem vacina infectou metade da classe com covid-19 nos EUA

No momento em que as escolas da cidade de Nova York – que abrigam a maior rede de ensino dos EUA – reaberto suas portas para a totalidade dos alunos, ao mesmo tempo em que os índices de vacinação contra covid-19 estagnaram entre os americanos e a variante delta avança, o país e o mundo discutem a segurança das crianças na volta às aulas.

Como crianças, desde o início, foram proporcionalmente menos afetadas que os adultos por coronavírus Sars-Cov-2, mas seguem suscetíveis se sobretudos de adultos não vacinados ou que não cumprem protocolos sanitários, como mostra um estudo do Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês) EUA (veja detalhes do caso abaixo).

Nesta segunda-feira (13/9), segundo o jornal The New York Times, 1 milhão de crianças nova-iorquinas retornaram às salas de aula, a maioria delas pela primeira vez em 18 meses. Todos os funcionários do Departamento de Educação da cidade obrigadosserão a se vacinar, por ordem da prefeitura.

No que diz respeito às máscaras, segundo levantamento da Associated Press, até agosto, apenas dez Estados americanos e a capital Washington DC seguiam como recomendações do CDC e exigiam que todos os estudantes e educadores usassem a proteção facial.

Fim do Talvez também te interesse

Trinta e dois Estados deixaram a decisão nas mãos dos distritos escolares ou dos pais. E oito Estados, no contramão das recomendações, aprovaram leis ou ordens executivas impedindo que o uso de máscaras fosse uma exigência.

No que diz respeito à vacinação, o presidente Joe Biden afirmou, em discurso na semana passada, que “90% dos funcionários de escolas e professores estão vacinados (no país). Precisamos chegar a 100%.”

Nessa discussão, ganhou notoriedade recentemente um estudo produzido pelo CDC detalhando um caso ocorrido na Califórnia,que ilustra a importância de medidas preventivas nas escolas para garantir a proteção de alunos e educadores.

Em 25 de maio, segundo o CDC, o Departamento de Saúde Pública do Condado de Marin foi notificado de que uma professora do ensino fundamental havia testado positivo para um covid-19. Ela não tinha sido vacinada.

Ao longo das semanas seguintes, outros 26 casos de covid-19 foram identificados entre alunos da escola e seus parentes.

Os alunos, por sua vez, tiveram menos de 12 anos e, portanto, ainda não poderiam ser vacinados, segundo as regulações vigentes em torno das vacinas aprovadas nos EUA (aqui no Brasil também só estão sendo vacinados adolescentes acima de 12 anos, com a vacina da Pfizer; a CoronaVac teve até o momento pedido negado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária para que aplicada em crianças a partir de três anos).

Na sala de aula da professora californiana, foi identificado que a metade dos estudantes (12 de um total de 24) acabou contaminada.

Outro foco de contaminação na mesma escola ocorreu em outra classe, aparentemente quando um aluno fez uma “festa do pijama” em sua casa.

“O elo epidemiológico entre as duas classes permanece desconhecida, mas acredita-se que se deva à interação dentro da escola”, diz o CDC.

O caso – em que todos se recuperam de quadros leves da covid-19, sem a necessidade de hospitalização – trouxe lições importantes, como aponta o estudo do CDC.

A BBC News Brasil pediu também a análise do pediatra brasileiro Daniel Becker, que integra o Instituto de Saúde Coletiva da UFRJ e o Comitê Científico de ações anti-covidez da prefeitura do Rio de Janeiro.

A professora em questão (que não foi identificada), segundo o CDC, começou a apresentar sintomas da covid-19 – no caso dela, congestão nasal e fadiga – a partir de 19 de maio, mas trabalhou mais dois dias sentindo febre, tosse e dores de cabeça, antes de ser testada (e dar positivo), em 21 de maio.

A professora acreditou se tratar de sintomas de alergia, mas o caso ressalta a importância de não deixarmos passar nem sintomas mesmo leves – particularmente em um momento de avanço da variante Delta, que é bem mais transmissível que a versão original do coronavírus.

Alguns dos sintomas da Delta são semelhantes a de um comum resfriado – como obstrução nasal, coriza, tosse, dor de garganta, febre, dor de cabeça, falta de apetite -, o que pode fazer com que passem despercebidos.

Essa atenção aos sintomas deve se dar também no caso das crianças, que não devem ser mandadas à escola de forma alguma se apresentarem até mesmo coriza, explica Daniel Becker.

“Temos que manter cuidadosos e testar todas as crianças com quadro febril ou coriza, depois do quarto ou quinto dia (dos sintomas), com teste de antígeno (o que é feito com a inserção do “swab” no nariz cujo e resultado que sai poucas horas depois)”, diz o médico – ressaltando, porém, que, mesmo com a Delta, os quadros graves de covid-19 em crianças ainda são mais raros do que em adultos e que reações alarmistas são contraproducentes.

“O importante é sermos muito cuidadosos com as crianças e manter um olhar de vigilância, mesmo que seus pais tenham sido vacinados – porque vez ou outro podemos ter casos graves”, agrega.

É sempre bom lembrar que, no caso da covid-19, mesmo pessoas assintomáticas (e vacinadas) podem transmitir o vírus, embora os casos sejam mais raros do que entre grupos não vacinados.

No caso do estudo californiano, todos os que testaram positivo para covid-19 ficaram dez dias em isolamento, bem como as pessoas que tiveram contato com eles. Como salas infectadas foram temporariamente fechados e higienizadas durante esse período.

A investigação do CDC apontou que a professora em questão parece ter descumprido a exigência local de uso de máscaras em espaços fechados e leu em voz alta para seus alunos – falar em voz alta, sem máscara, é uma das formas como inadvertidamente espalhamos mais gotículas de saliva potencialmente contaminadas.

A maior incidência de alunos infectados foi justamente entre os que estavam nas primeiras fileiras diante da professora (veja abaixo no gráfico do CDC).

Nas circunstâncias atuais, opina Daniel Becker, é “inadmissível que um professor não use máscara em sala de aula”. “A politização do uso das máscaras é uma estupidez – que não se consegue chegar a um consenso sobre algo tão simples”, critica.

Um ponto é que a infecção na escola californiana ocorreu apesar de medidas sanitárias importantes foram tomadas: as salas de aula foram com as janelas abertas e tinham filtros de ar de alta eficiência.

Apesar disso, a ventilação dos ambientes escolares continua sendo uma medida crucial para diminuir as chances de transmissão do vírus, ao reduzir a concentração de gotículas e aerossóis potencialmente infectados (uma sugestão de especialistas é colocar um ventilador de frente para uma janela – ele funciona como uma espécie de exaustor, puxando o ar de dentro e empurrando-o para a do cômodo).

“Esse surto originado em uma professora não vacinada demonstra a importância de vacinar funcionários de escola que estão em contato próximo e em ambientes fechados com crianças que não podem ser vacinadas, à medida que as escolas estão abertos as portas”, diz o estudo do CDC, destacando o alto potencial de espalhamento da variante delta.

Mas o CDC ressalta também que a alta taxa de vacinação no condado de Marin, onde fica a escola em questão, ajudou a conter o coronavírus, oferecendo proteção coletiva:

“Uma transmissão além (de estudantes e familiares) parece ter sido impedida pelos altos níveis de vacinação comunitária. No momento do surto, cerca de 72% da população para o qual a vacina havia disponível estava totalmente vacinada”, diz o estudo.

“Essas descobertas sustentam como evidências de que as atuais vacinas contra covid-19 aprovadas emergencialmente pela FDA (agência americana que regula medicamentos e alimentos) são efetivas contra uma variante delta. No entanto, os riscos de transmissão continuam elevados entre indivíduos não vacinados em escolas”, prossegue o texto.

O CDC ressalta que, além da vacinação em massa, é preciso manter medidas rígidas de prevenção – uso correto de máscaras, testagem rotineira, ventilação constante e quarentena no caso de pessoas sintomáticas ou que testaram positivo – para garantir a proteção no ambiente escolar.

Nos EUA, depois da campanha de vacinação em massa ter colocado o país na frente global da proteção contra um covid-19, a resistência de parte da população à imunização criou terreno fértil para que a variante delta se espalhasse em algumas comunidades.

Essa resistência também fez com que os EUA reduzissem o ritmo de imunização da população em geral. Segundo a plataforma Nosso Mundo em Dados, da Universidade de Oxford, até 12 de setembro em torno de 178,7 milhões de americanos foram totalmente vacinados, de uma população total de 328 milhões de pessoas.

Atualmente, enquanto o Brasil aplica diariamente 0,66 dose de vacina a cada 100 habitantes, nos EUA essa taxa é hoje de 0,22.

Isso levou a medidas como a adotada no condado de Los Angeles, também na Califórnia, onde a vacinação de todos os estudantes com 12 anos ou mais passou a ser obrigatória, a despeito da resistência de parte dos pais – seja por não se se se considerar seguros quanto a vacina ou por não concordar com interferências externas na tomada de decisões com relação às crianças, informou a agência Reuters.

Mas, nas palavras de uma das integrantes do conselho escolar ,”não vejo isso (vacinação) como sua escolha ou minha escolha. Vejo isso como necessidade uma comunidade. O que significa que as pessoas terão de fazer coisas com as que não estão confortáveis, com como que são inseguras ou que podem conter algum risco.”

Por fim, uma lição importante do estudo do CDC é que ainda recai sobre os adultos a responsabilidade de garantir que as escolas sejam lugares seguros.

“Como vacinas são eficientes contra uma variante delta, mas o risco de transmissão segue elevado entre pessoas não vacinadas em escolas onde não há um rígido das estratégias de prevenção”, diz o CDC.

Por enquanto, diz o pediatra Becker, o que sabemos é que, como a variante Delta é mais transmissível, ela também se transmite mais entre crianças, na mesma proporção (ou seja, ainda em números absolutos menores do que entre adultos).

No Rio de Janeiro, um delta é considerado a variante do coronavírus prevalente nas contaminações desde o mês passado, elevando sobrecarga a em hospitais. Uma análise recente apontou que essa variante representa 90% dos casos geneticamente sequenciados no Estado – e é bom lembrar que, em diversos momentos da pandemia, a situação no Rio de Janeiro antecipou o quadro geral visto no restante do país.

“Com a Delta, estamos vendo crianças levando o vírus para casa, o que não víamos tanto antes. Mas a grande maioria das crianças continua pegando a covid-19 em casa, dos adultos”, diz Becker.

Esse aumento de contágio pelo delta não tem, ao menos por enquanto, se refletido em mais mortes entre crianças, diz o médico.

“Não há neste momento explosão de casos entre crianças ou motivo para pânico. Mas temos que implementar os protocolos com rigor. Não é momento para festinhas em lugares fechados, porque o delta é braba mesmo. Temos que cuidar das crianças, que são um grupo ainda não vacinado”, conclui.

BBC

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

88  +    =  90

Botão Voltar ao topo