PUC-SP recebe “Ato em Defesa do Jornalismo e da Democracia”

Ato organizado por 15 entidades acontece nesta terça (27) e rechaça agressões de Bolsonaro e seguidores contra jornalistas, especialmente às mulheres

Frente à escalada de ameaças, agressões, ataques físicos e virtuais, tentativas de censura e intimidação contra jornalistas, especialmente durante o período eleitoral, 15 entidades jornalísticas e organizações que defendem a liberdade de imprensa e os direitos humanos se unem no “Ato em Defesa do Jornalismo e da Democracia” que acontece nesta terça-feira (27), às 19 horas, no campus Monte Alegre da PUC São Paulo, auditório 239 (2º andar, prédio novo).

Segundo reportagem do jornal Brasil de Fato, somente no primeiro mês da campanha eleitoral, foram registradas 2.865.845 postagens com conteúdo ofensivo contra jornalistas no Brasil. Destes total, 88% das postagens foram dirigidas a mulheres jornalistas. Os dados são da organização Repórteres Sem Fronteiras, em parceria com o Laboratório de Estudos Sobre Imagem e Cibercultura (Labic), da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

“A gente percebe que nesse período eleitoral, as ameaças e os ataques vêm aumentando, especialmente contra jornalistas mulheres”, diz Thiago Tanji, presidente do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo (SJSP). “Diante disso todas as entidades, mas sobretudo as da nossa categoria, têm que se levantar e deixar sua posição bem clara contra qualquer tipo de autoritarismo e contra as aspirações obscurantistas do atual governo, que sistematicamente ataca a nossa profissão”, afirma.

Números da Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) mostram o peso de Jair Bolsonaro (PL) no clima de agressividade contra jornalistas. Segundo a federação, em 2021, houve ao menos 430 agressões a jornalistas e meios de comunicação, o maior número da série histórica do levantamento. Destes, 147 ataques, ou 34,2% do total, foram causados pelo presidente.

As jornalistas Patrícia Campos Mello e Bianca Santana, vítimas de agressões e ataques promovidos por Bolsonaro e seus apoiadores, estarão presentes no ato para compartilhar suas histórias.

Durante a atividade, as entidades organizadoras apresentarão os mais recentes números da violência contra jornalistas no último período e divulgarão um manifesto unificado em defesa do livre exercício do jornalismo e da democracia.

O ato é convocado pelas seguintes entidades: Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP), Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Associação de Jornalismo Digital (Ajor), Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), Repórteres sem Fronteiras (RSF), Instituto Vladimir Herzog, Associação Profissão Jornalista (ApJor), Barão de Itararé, Intervozes, Centro Acadêmico Vladimir Herzog, Centro Acadêmico Benevides Paixão.

O evento contará com a presença de organizações da sociedade civil em defesa dos direitos humanos, como OAB, Grupo Prerrogativas, Grupo Tortura Nunca Mais e Comissão de Justiça e Paz, Condepe – Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, além do apoio e parceria do Curso de Jornalismo da PUC-SP e da FAFICLA.

SERVIÇO:

O que: Ato em Defesa do Jornalismo e da Democracia

Quando: Terça-feira, 27 de setembro

Horário: 19 horas

Onde: Auditório 239 da PUC São Paulo, no Edifício Reitor Bandeira de Mello (prédio novo) – Rua Ministro Godói, 969, Perdizes, São Paulo

Quem não for de São Paulo, poderá acompanhar a transmissão ao vivo.

Assista abaixo:

Vermelho

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  +  55  =  65

Botão Voltar ao topo