Volta às aulas: 100% presenciais

Milhares de estudantes catarinenses, tanto do ensino público quanto privado, retornaram às aulas, 100% presenciais, desde o último dia 7

Com o avanço da vacinação entre os públicos adulto e adolescente, bem como com o início da imunização entre as crianças, milhares de estudantes catarinenses, tanto do ensino público quanto privado, retornaram às aulas, 100% presenciais, desde o último dia 7. Neste sentido, todos os estabelecimentos de ensino privados de Tubarão e Capivari de Baixo, filiados ao Sinpaaet, retomaram (ou retomarão) suas atividades, no formato convencional essa semana, exceto a Unisul que, segundo comunicado, deve voltar a partir de 21 de fevereiro.

Por outro lado, por mais que se vivencie um momento diferente do ano anterior – exatamente pela celeridade na imunização catarinense (75% da população vacinada com ambas as doses, sendo 63% com imunização completa em Capivari de Baixo e 82% em Tubarão) – além de um Decreto que legitima essa retomada (Decreto oficial nº 1.669, do Governo do Estado, que estabelece o retorno de 100% dos estudantes às atividades presenciais nas instituições públicas e privadas de ensino de Santa Catarina e que, por exemplo, pôs fim à exigência de distanciamento mínimo entre os alunos nas salas de aula), para a presidente do Sinpaaet, Profa. Patrícia Schlickmann Orlandi, ainda assim o retorno exige muito cuidado, dentro e fora da escola: “percebemos que a vacinação ainda precisa avançar, em especial entre as crianças. Por isso, embora tenhamos essa volta presencial tão esperada e providencial para o desenvolvimento dos nossos estudantes e satisfação dos nossos profissionais de educação, as demais exigências e medidas sanitárias de segurança para evitar o contágio pela Covid-19, como o uso de álcool em gel nas escolas e o uso de máscaras nos estabelecimentos de ensino, precisam ser mantidas, além de ventilação nos ambientes escolares e vacinação obrigatória para os profissionais da educação – sendo que toda impossibilidade de se submeter à vacinação precisa ser comprovada por laudo médico. A exceção ainda serão as gestantes, que podem continuar trabalhando de forma remota.”, reitera.

Conforme as novas regras para o início do ano letivo de 2022, caso o estudante não possa retornar às aulas presenciais por motivos de saúde, este poderá ser atendido em modelo alternativo, desde que também apresente laudo médico comprobatório.

Do Sinpaaet

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1  +  8  =  

Botão Voltar ao topo