Vitória da ação sindical e popular: Senado vota contra a MP da escravidão

O Senado rejeitou, nesta quarta-feira, 1º, a Medida Provisória (MP) 1.045/2021, da “minirreforma trabalhista”. Foram 47 votos contrários, 27 votos favoráveis e 1 abstenção. “Conquistamos uma grande vitória”, comemorou o coordenador-geral da Contee, Gilson Reis. A entidade se posicionou e mobilizou a categoria contra a aprovação da MP, inclusive enviando correspondência para todos os senadores e participando de articulações para garantir a derrota do Governo Bolsonaro no episódio.

“Desde 2016 somos vítimas de um golpe de Estado para que o capital assumisse o comando da nação brasileira e, a partir dali, fizesse as reformas trabalhistas e previdenciária e adotasse um conjunto de medidas com o intuito de destruir o direito do trabalho, a organização e representação sindical e a luta dos trabalhadores e das trabalhadoras do Brasil. Ao longo desse tempo, temos resistido de forma brava e contundente contra esse governo genocida do Bolsonaro, que matou milhares de trabalhadores por pura irresponsabilidade no tratamento da covid e no combate à pandemia”, relembra Gilson.

A Contee, relata ele, “diante desse cenário de desmonte do Estado, do direito do trabalho e do direito previdenciário, atuou para derrotar a Medida Provisória 1.045. Eram 70 artigos que, na prática, destruíam o 13º, férias, Fundo de Garantia, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), a fiscalização trabalhista, o direito à Justiça gratuita – um conjunto de ações que jogavam uma pá de cal no sindicalismo e no direito do trabalho. Era a MP da Escravidão”.

A MP 1.045/2021 será arquivada.

Veja aqui o pronunciamento de Gilson Reis:

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  +  1  =  9

Botão Voltar ao topo